O que o brasileiro pensa?
03 de julho de 2020, 11h33

Moro diz ter pedido suspensão de salário de revista e parafraseia Chico Buarque: “Leia esta coluna que eu lhe dou de graça”

Após artigo confuso na revista Crusoé, do grupo Antagonista, ex-juiz diz que não quer "encrenca com o TCU", por ter firmado contrato enquanto ainda recebe como ministro, embora tenha deixado o governo Bolsonaro há dois meses

Sérgio Moro (Foto: Reprodução)

Intimado pelo ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), a explicar seu contrato com a revista Crusoé enquanto ainda recebe salário de ministro – embora tenha deixado o governo Jair Bolsonaro há mais de dois meses -, Sérgio Moro afirmou em nota de rodapé de um segundo artigo confuso que pediu a “suspensão dos pagamentos (ainda não havia recebido nenhum)” aos editores da publicação.

Sem citar o nome de Dantas, Moro diz que “um procurador do TCU entendeu que eu não posso cobrar, durante o período de quarentena imposta por ter deixado o cargo de ministro, para escrever artigos” e parafraseia Chico Buarque ao dizer que oferece a coluna “pro bono” aos leitores.

“Enquando isso não é resolvido – e longe de mim querer encrencar com o TCU – pedi aos editores a suspensão dos pagamentos (ainda não havia recebido nenhum). Então, saiba o leitor que está lendo uma coluna escrita ‘pro bono’. Posso até parafrasear o Chico Buarque e aconselhar o leitor: ‘leia esta coluna que eu lhe dou de graça'”, escreveu, citando o cantor, compositor e escritor, amigo muito próximo do ex-presidente Lula.

No artigo confuso, Moro ignora qualquer tipo de coerência e coesão textual para fazer uma analogia do livro “Como as Nações Fracassam”, de Daron Acemoglu e James Robinson, que cita a diferença econômica entre duas cidades homônimas nos EUA e no México, ao atual contexto político e tecer críticas ao governo Bolsonaro.

O ex-juiz da Lava Jato, no entanto, tropeça ao criticar a própria obra, que traria uma “tese questionável” ao fazer uma avaliação ao governo Lula. “O livro não está isento de algumas teses questionáveis, como a avaliação positiva sobre o governo federal sob o Partido dos Trabalhadores, mas ressalva-se que, em 2012, as contradições e os problemas da época ainda não tinham vindo totalmente à tona, principalmente para estrangeiros”, escreve.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum