O que o brasileiro pensa?
25 de junho de 2020, 06h40

MP pró-Bolsonaro denuncia STF na Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Grupo alega violação das liberdades de expressão, imprensa, locomoção e manifestação em inquéritos instaurados pelo Supremo

Foto: Carlos Moura/SCO/STF

A Associação Nacional de Membros do Ministério Público Pró-Sociedade, entidade conservadora fundada pela irmã da deputada Bia Kicis (PSL-DF), denunciou o Supremo Tribunal Federal (STF) na Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA).

A denúncia pede a criação de uma Medida Provisória em favor das “vítimas brasileiras que sofreram e estão a sofrer constrangimento ilegal e violação à liberdade de expressão, informação, de imprensa, manifestação e de locomoção” por conta de inquéritos do STF.

O principal argumento utilizado pela entidade para criminalizar a Corte é o inquérito das fake news, que mirou diversos deputados e blogueiros ligados ao presidente Jair Bolsonaro.

“Houve clara violação do sistema penal acusatório constitucional, que separa as funções de acusar, pois o procedimento investigativo não foi provocado pelo procurador-geral da República, e esse vício inicial contamina sua tramitação. Ainda segundo Sua Excelência, as investigações têm como objeto manifestações críticas contra os ministros que, em seu entendimento, estão protegidas pela liberdade de expressão e de pensamento”, diz a denúncia.

O grupo pede ainda que as investigações sejam paralisadas imediatamente e que os alvos do inquérito sejam “indenizados”.

CNMP

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) anunciou na terça-feira (23) que vai analisar o uso da expressão “Ministério Público” por pessoas jurídicas de direito privado.

A decisão foi tomada após investigação de postagens em redes sociais feitas pelo presidente do MP Pró-Sociedade, o promotor de Justiça do Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG) Márcio Luís Chila Freyesleben.

De acordo com o Jota, o CNMP determinou que Freyesleben “esclareça, em suas comunicações e nas da associação por ele presidida e representada, que versem sobre a pandemia da Codvid-19 ou sobre outros temas de interesse institucional”, que suas opiniões são pessoais e que não reflete a opinião do Ministério Público.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum