Fórumcast, o podcast da Fórum
04 de setembro de 2018, 21h42

Na Record News, Haddad promete regulação da mídia e reforma agrária

Candidato a vice na chapa de Lula disse, em entrevista, que o governo do PT vai acabar com a concentração de mídia no país e cobrar imposto progressivo de terras improdutivas para fazer desapropriações e reforma agrária

Reprodução

Em sabatina promovida pelo canal por assinatura Record News, na noite desta terça-feira (4), o vice na chapa do PT, Fernando Haddad, afirmou que um eventual governo do PT promoverá regulação da mídia e reforma agrária.

As falas sobre as reformas se deram quando foi perguntado sobre uma gestão “mais radical” caso Lula venha a ser eleito. Sobre regulação da mídia, Haddad afirmou que um mesmo grupo midiático não pode deter, em um estado, os jornais, canais de televisão e estações de rádio de maior audiência.

“Isso fere principio democrático. Não é assim em nenhum lugar desenvolvido. Quando ocorrer uma concentração, o Estado vai determinar a alienação de uma concessão para outro grupo”, disse. “Não pode a família ACM, a família Sarney, a família Collor ser dona de toda a comunicação de um Estado. Outras vozes precisam falar”, completou o ex-prefeito de São Paulo.

Em outro ponto da entrevista, Haddad prometeu ainda encampar no país, caso sua chapa seja eleita, um projeto de reforma agrária.

“Vamos ter um imposto para terras improdutivas. Imagina que o sujeito tem terra improdutiva, o imposto dele vai crescer ao longo do tempo enquanto não atingir produtividade, isso vai obrigá-lo a produzir alimentos pra população. E esse imposto progressivo vai ser utilizado para desapropriação de terra e reforma agrária”, explicou.

Leia também: Haddad dá o tom de sua campanha na Record News

 

Ajude a financiar a cobertura da Fórum nas eleições 2018. Clique aqui e saiba mais.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum