Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
12 de fevereiro de 2020, 16h10

Namorada de Adriano da Nóbrega foi parada e liberada pela Polícia Rodoviária Federal

Ela teria avisado Adriano sobre o cerco policial

Júlia e Adriano armado. Foto: Reprodução

Júlia Emília Mello Lotufo, namorada do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, foi parada, revistada e liberada por agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), na altura de Vitória da Conquista, na Bahia. Logo depois disto, ela o avisou sobre a mobilização das autoridades.

O relato da namorada justificaria a tensão do miliciano na véspera de sua morte, narrada em depoimento prestado na Delegacia de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) por Leandro Abreu Guimarães, dono da fazenda onde o ex-capitão do Bope ficou escondido.

“Na data de ontem (8 de fevereiro) o interrogado viu Adriano teclando no aparelho celular e mostrava-se bastante nervoso”, disse Leandro em depoimento. O fazendeiro perguntou o que estava acontecendo e o ex-capitão do Bope, então, o ameaçou exigindo ser levado para um sítio.

Foi neste outro local, também em Esplanada, que ele foi localizado e morto na madrugada de domingo (9) por agentes do Bope da Polícia Militar da Bahia.

Carro identificado

Júlia deixou o sítio no município de Esplanada, na Bahia, para voltar ao Rio de Janeiro, na tarde de sexta-feira (7). Por volta de 21h, a picape Hillux branca que dirigia foi interceptada pela PRF a cerca de 600 quilômetros de distância de onde a família estava hospedada.

Os investigadores tinham conhecimento de algumas placas de automóveis usados por Adriano em seus deslocamentos. Uma delas era a da picape Hillux que Júlia dirigia. Como não havia mandados de prisão em seu nome, Júlia seguiu viagem, após a revista policial.

Júlia chegou a trabalhar na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), entre 2016 e 2017. Ela foi nomeada para o setor de recursos humanos da Casa pelo então presidente Jorge Picciani. No ano seguinte, foi exonerada.

Nesse período, também trabalhavam na Alerj Raimunda Veras Magalhães e Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega, respectivamente mãe e ex-esposa de Adriano. As duas eram lotadas no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro e são suspeitas de terem participado do esquema de “rachadinha”.

Com informações da revista Época


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum