Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de março de 2018, 12h36

“Os ataques que fizeram contra a Petrobras começam a fazer contra a Caixa”, diz presidente da Fenae

Segundo Jair Pedro Ferreira, dirigente da federação das associações dos funcionários da CEF, atacar a empresa impacta todo o sistema financeiro e o futuro do Brasil.

Em entrevista exclusiva à Fórum nesta terça-feira (6), Jair Pedro Ferreira, presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), explicou a importância do segundo maior banco do país e os ataques que vêm sofrendo. “Trata-se de uma empresa que completou 157 anos. Tem 87 mil trabalhadores, 4 mil agências, administra o FGTS, gerindo 502 bilhões de reais do fundo”, afirmou.

De acordo com Ferreira, “existe uma política muito clara por parte do Ministério da Fazenda, ou seja, do governo federal, de sufocar a Caixa”. Para ele, “os ataques que fizeram contra a Petrobras começam a fazer contra a Caixa”. O dirigente apontou exemplos de como isso ocorre. O primeiro ponto é tirar sua capacidade de fazer novos empréstimos, enfraquecendo a empresa. “Os ataques vêm de todos os lados, vem o ataque de mudar a diretriz da empresa, sufocar ela a ter novos recursos para emprestar e vem o ataque de ir tirando o atendimento à população.” Conforme ressaltou, desde 2014, a Caixa já perdeu 14 mil empregados e não houve contratações para repor. “Isso compromete o atendimento. Cria um desgaste na imagem.”

Sobre a mudança da diretriz do banco, Ferreira contou que há três anos a Fenae vem lutando para que a CEF não se torne uma Sociedade Anônima S/A, que permitiria que seu capital fosse dividido em ações. “Conseguimos evitar que a empresa venda as ações em bolsa. Isso tiraria a capacidade dela de trabalhar com juros mais baixos, de trabalhar com os programas sociais que fomentam o desenvolvimento, permitindo que administre grandes programas como o Bolsa Família.”

Ferreira destacou que hoje a Caixa tem 70% de todo o financiamento habitacional do país, em especial para a baixa renda. No Amazonas, por exemplo, os bancos públicos são os únicos que financiam a habitação no estado. “A CEF financia 91%, o Banco do Brasil, 9%.”

A Fenae está fazendo campanhas para dialogar com a sociedade para mostrar a importância do banco público. “Os funcionários não concordam e vão batalhar para que o governo mude o seu posicionamento”, afirmou. “Precisamos nos juntar e nos unir para fazer o enfrentamento eleitoral. A CEF precisa continuar independente dos governos de plantão.”

Assista à entrevista na íntegra


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum