No rastro do óleo do Nordeste
13 de junho de 2018, 10h29

Para correspondente alemão, Galvão Bueno mantém o Brasil preso no próprio passado

As farpas de Philipp Lichterbeck sobraram também para Carlos Alberto Sardenberg, Merval Pereira, Miriam Leitão entre outros, representantes, segundo ele, de uma “oligarquia da informação”

O correspondente alemão Philipp Lichterbeck, no Brasil desde 2012, a pretexto da Copa, escreveu artigo no site DW, em sua coluna Cartas do Rio, sobre a transmissão da Rede Globo e, particularmente, o seu apresentador. Para ele, a partir do início dos jogos, os “brasileiros terão que suportar o eterno Galvão Bueno durante mais essa Copa”.

O jornalista segue, com olhar agudo e atribui a mesmice ao “preço que o país paga por sua meritocracia – que não estimula novos talentos nem contribui para a diversidade. Ao contrário, apenas protege um establishment que mantém o Brasil preso no seu próprio passado”.

Lichterbeck, que escreve para vários veículos alemães sobre aspectos do Brasil e da América Latina, diz que a estética da emissão da Globo “lembra o fim dos anos 1980, início dos anos 1990. Como esse, de qualquer maneira, muitos programas da televisão brasileira parecem como se o mundo tivesse parado há 30 anos. O melhor exemplo ao lado de Galvão é o sexista Domingão do Faustão”, escreveu.

Ao tomar como ponto de partida a transmissão da Copa e a narração monótona, ufanista e arcaica, o jornalista parte para uma análise mais ampla da vida brasileira: “Galvão Bueno é o resultado de uma concentração extrema de meios de comunicação, além de um Brasil refratário a tudo o que é novo e progressivo”, lembra.

Ao avançar ainda mais no assunto, Lichterbeck fala sobre a “monopolização do discurso” que, segundo ele, se espalha em outras áreas e “pode ser encontrada com frequência nos meios de comunicação brasileiros”, afirma. Para ele, “são sempre as mesmas figuras conservadoras que querem explicar o mundo ao público, seja na televisão, no rádio ou nos jornais: Carlos Alberto Sardenberg, Merval Pereira, Miriam Leitão, Ricardo Boechat, Reinaldo Azevedo, Ricardo Noblat. Vozes jovens têm pouca chance. Se não houvesse a internet, deveria-se falar de uma oligarquia da informação”.

Leia o artigo na íntegra aqui


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum