Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de julho de 2019, 08h07

PM que pediu namorado em casamento denuncia sargento por homofobia

Sargento aposentado, Renato Simões teria atacado via redes sociais o policial após saber do pedido de casamento, feito próximo a uma base da PM em São Paulo. Entre palavras de baixo calão, o sargento disse que iria caçar o soldado e "ensiná-lo a virar homem na porrada, seu filha da p*** do c******"

Leandro Prior e Elton da Silva Luiz (Reprodução/Facebook)

Leandro Prior, policial militar que fez o pedido de casamento ao namorado Elton da Silva Luiz usando a farda da corporação, denunciou o sargento aposentado Renato Simões por ameaça e homofobia.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

O militar aposentado teria atacado via redes sociais o policial após saber do pedido de casamento, feito próximo a uma base da PM em São Paulo. Entre palavras de baixo calão, o sargento disse que iria caçar o soldado e “ensiná-lo a virar homem na porrada, seu filha da p*** do c******”. Ele também disse que Leandro Prior não iria “desonrar a minha gloriosa PMSP”.

Além do sargento, Prior denunciou a página do Facebook intitulada PROERD, que publicou um texto contra o soldado. Ao citar o noivado do policial militar, a página diz que a “sociedade está doente, todos nós estamos doentes.. doença no caráter, na moral, nos bons costumes, no respeito e na dignidade… #policiamilitar #luto”. O autor da publicação, que foi excluída após repercutir, deve ser notificado.

Outras seis pessoas que postaram ameaças e ofensas homofóbicas no Facebook também foram alvo da ação.

A denúncia só foi possível após determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), no mês passado, que a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero passe a ser considerada crime, assim como o racismo.

Casamento
Antes do pedido de casamento, Prior protocolou solicitação na Corregedoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo para pedir o namorado em casamento durante a 23ª Parada LGBT+ de São Paulo, ocorrida no dia 23 de junho, usando a farda da corporação.

Houve a proibição por parte da PM, alegando que regras internas vetam que um policial use seu uniforme em qualquer tipo de manifestação, como classificam a Parada. Não foi o único empecilho: Prior entrou na escala de serviço, alterada de dias pares para os ímpares durante essa semana. Teve de comparecer à base no Largo.

Então, em vez de o pedido acontecer na Avenida Paulista em meio aos pedidos por mais direitos à população LGBT+, ocorreu ao lado do trabalho do soldado.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum