#Fórumcast, o podcast da Fórum
03 de setembro de 2019, 12h53

Presidente afastado da Ancine e ex-ministro da Cultura são denunciados por associação criminosa

De acordo com comunicado do MPF, eles agiram com o objetivo de favorecer a candidatura à presidência da Agência Nacional do Cinema do então diretor, Christian de Castro

Christian de Castro Oliveira - Foto: Pedro França/Agência Senado

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou Christian de Castro Oliveira, diretor-presidente da Agência Nacional do Cinema (Ancine), e Sérgio Sá Leitão, ex-ministro da Cultura, além de mais seis pessoas. Todos são acusados de associação criminosa. De acordo com comunicado do MPF, eles agiram com o objetivo de favorecer a candidatura à presidência da Ancine do então diretor, Christian de Castro.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Além de associação criminosa, as denúncias apontam violação de sigilo funcional, prevaricação, crimes contra a honra e denunciação criminosa.

Christian já tinha sido afastado no cargo na semana passada, segundo decreto publicado no Diário Oficial da União.

Sá Leitão, por sua vez, é hoje secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, no governo de João Doria (PSDB).

Quando era ministro de Michel Temer, ele se notabilizou por espalhar a fake news de que o músico britânico Roger Waters recebeu R$ 90 milhões para “fazer campanha disfarçada de show” ao chamar Jair Bolsonaro de neofascista, em suas apresentações no Brasil.

Veja abaixo a íntegra do comunicado do MPF:

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o Diretor-presidente da Agência Nacional de Cinema (Ancine), Christian de Castro Oliveira, o ex-Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, e mais seis servidores por associação criminosa que tinha como objetivo favorecer a candidatura à presidência do órgão ao então diretor, Christian de Castro. Dentre os crimes estão violação de sigilo funcional, prevaricação, crimes contra a honra, denunciação criminosa e associação criminosa.

O MPF também pediu o afastamento de cinco dos denunciados, além de indisponibilidade de bens e ressarcimento integral dos danos causados à União.

Segundo as investigações, entre os meses de outubro de 2017 e janeiro de 2018, o grupo agiu no intuito de danificar a imagem de outros diretores da Ancine que concorriam a vaga de diretor-presidente do órgão, abrindo margem para que Christian fosse eleito e que todos os envolvidos tivessem nomeações em cargos públicos comissionados. Os denunciados elaboraram uma nota encaminhada à imprensa, além de uma denúncia anônima ao MPF, ambas falsas, como parte do esquema para promoção dos interesses do grupo.

Christian teve acesso a informações sigilosas da Ancine e compartilhou com Ricardo Martins, à época seu sócio no setor audiovisual e que não era servidor público. Ambos trabalharam em conjunto com Magno Maranhão, Juliano Vianna, Ricardo Precoari, Marcos Tavolari, Claudia Pedrozo e Sérgio Sá Leite na confecção de divulgação do material calunioso. Todos tiveram promoção ou nomeação para cargos de prestígio após Christian assumir como presidente da Ancine, inclusive Ricardo Martins, que foi nomeado secretário-executivo do órgão.

A denúncia mostra a relação do ex-Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, com Christian e sua participação na dinâmica criminosa. As investigações mostraram a proximidade pessoal de ambos e que Sérgio indicou Christian para seu cargo como diretor na Ancine, além de ter feito campanha política para que este pudesse assumir a presidência.

“Fica claro que, por terem agido quebrando sigilo funcional, prevaricado, praticado crimes contra a honra e denunciação caluniosa, enviado notícias falsas para veículos de imprensa e ao Ministério Público Federal, os agentes públicos da Ancine e do MinC ora denunciados obtiveram resultados em benefício próprio. Além da nomeação de Christian de Casto Oliveira à presidência da Agência, galgaram ascensão para cargos comissionados de prestígio e confiança direta do Ministro da Cultura e do Diretor-presidente da Agência Nacional do Cinema.”, relata a denúncia do procurador da República Antonio do Passo Cabral.

Após quase dois anos tendo proveito de cargos de maneira ilícita, os denunciados tiveram um aumento patrimonial de pelo menos R$ 60 mil cada. O MPF pediu o afastamento de Christian de Castro Oliveira, Magno Maranhão, Juliano Vianna e Ricardo Pecorari de seus cargos como servidores na Ancine e de Marcos Tavolari no Ministério da Cultura, que podem prejudicar colheitas de provas e influenciar depoimentos de funcionários.

Sérgio Sá Leitão hoje em dia é secretário de Estado de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e Claudia Pedrozo, à época chefe de Gabinete do Ministro da Cultura, é atual secretária Adjunta de Estado de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo. Ambos foram denunciados pelos crimes, mas não houve pedido de afastamento dos cargos.

Ação de improbidade administrativa

Além da ação penal, os envolvidos também irão responder na esfera cível. O MPF moveu ação civil pública por improbidade administrativa contra Christian de Castro, Sérgio Henrique Sá Leitão, Ricardo Alves Vieira Martins, Juliano César Alves Vianna, Magno de Aguiar Maranhão Jr., Ricardo César Pecorari, Marcos Tavolari e Cláudia Maria Mendes Pedrozo.

Os atos praticados pelos réus atentaram contra os princípios da administração pública e objetivaram o enriquecimento ilícito pessoal e de terceiros, com o intuito primordial de beneficiar Christian de Castro, que disputava a nomeação para o cargo de diretor-presidente da Agência Nacional do Cinema.

Além de serem condenados às sanções previstas por ato de improbidade administrativa, o MPF requer a decretação da indisponibilidade dos bens dos demandados, o afastamento do exercício do cargo e das funções públicas, bem como que sejam condenados ao ressarcimento, por danos materiais e morais, ao valor de R$ 500 mil.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum