Entrevista exclusiva com Lula
12 de junho de 2019, 08h20

Presidente da Funai deixa cargo e critica governo na questão indígena: “presidente está muito mal assessorado”

"Quem assessora o presidente é o senhor Nabhan [Garcia]. Que, quando fala sobre indígena, saliva ódio aos indígenas”, disse Franklimberg Freitas sobre ruralista que ocupa o posto de secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura

O general da reserva Franklimberg Ribeiro de Freitas (Reprodução)

O general do Exército da reserva Franklimberg Ribeiro de Freitas, escolhido pela ministra Damares Alves como presidente da Funai, deixou nesta terça-feira (11) o cargo. Freitas considerou que o governo está mal assessorado sobre a questão indígena, com uma forte influência ruralista que “saliva ódio contra indígenas”.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Quem assessora o senhor presidente não tem conhecimento de como funciona o arcabouço jurídico que envolve a Fundação Nacional do Índio. O presidente está muito mal assessorado a respeito da condução da política indigenista no país. E quem assessora o senhor presidente da República é o senhor Nabhan [Garcia]. Que, quando fala sobre indígena, saliva ódio aos indígenas”, disse Franklimberg Freitas a servidores do órgão, segundo Rubens Valente, da Folha de São Paulo.

Luiz Antônio Nabhan Garcia é presidente da União Democrática Ruralista (UDR) e ocupa o posto de secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, sendo o principal responsável pela reforma agrária. Entre as críticas do general ao ruralista está o desejo que Nabhan tinha de acabar com o Departamento de Proteção Territorial da Funai (DPT), setor responsável pela proteção, identificação e demarcação de terras indígenas.

Franklimberg Freitas, que já havia ocupado a presidência da instituição durante o governo de Michel Temer, considerou que a Funai possui um orçamento limitado, “muito pequeno para o atendimento das demandas dos indígenas”, e falta servidores. “A coisa [atendimento] não chega até o indígena. O que mais o presidente da Funai passa tempo aqui é defendendo a instituição de ataque de B, de interesse de B e de interesse de C. Ataques que diuturnamente estamos recebendo”, disse.

Desde a queda da ex-presidenta Dilma, em 2016, essa é a sexta vez que a chefia da Funai é alterada, resultando em uma procupante média de um presidente a cada seis meses.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum