Presidente do STJ solta Queiroz e concede prisão domiciliar a ele e sua esposa Márcia

O pedido liminar, imediatamente colocado em sigilo, foi entregue ao ministro João Otávio de Noronha pelo fato de ser ele o responsável pelos pedidos urgentes que chegam ao plantão do STJ

Fabrício Queiroz, o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), vai para prisão domiciliar. A decisão em caráter liminar é do ministro João Otávio de Noronha e vale também para Márcia Aguiar, esposa de Queiroz, que estava foragida com prisão preventiva decretada.

Desde a última quarta-feira o Judiciário está em recesso, e os demais ministros saíram de férias. O pedido liminar, imediatamente colocado em sigilo, foi entregue a Noronha pelo fato de ser ele o responsável pelos pedidos urgentes que chegam ao plantão do STJ.

Os habeas corpus movidos pelas defesas de Queiroz e Márcia foram encaminhados ao STJ nesta segunda-feira pela desembargadora Suimei Cavalieri, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ).

Vaga no STF

O jornalista Lauro Jardim antecipou em sua coluna no jornal O Globo, nesta quinta-feira (9), que João Otávio Noronha deveria conceder habeas corpus à Márcia Aguiar, que está foragida, e Fabrício Queiroz.

Segundo o colunista, há consenso entre colegas de STJ de que Noronha deve libertar Queiroz até segunda-feira (13), já que o ministro “sonha” com uma vaga no Supremo Tribunal Federal.

Em maio, Noronha já sinalizou que está em campanha ao dar direito a Jair Bolsonaro, responsável pela indicação à corte, de não revelar os testes para detectar a contaminação pelo coronavírus.

Preso em imóvel de Wassef

Queiroz foi preso na manhã de 18 de junho pela Polícia Civil em uma chácara em Atibaia, no interior de São Paulo. O imóvel pertence a Frederick Wassef, que é advogado do senador e também do presidente, no caso Adélio Bispo.

Policiais e promotores relataram que Queiroz era mantido em esquema de proteção no imóvel, pois já se imaginava que ele poderia ser preso.

Publicidade

O ex-assessor foi preso a mando do Ministério Público do Rio de Janeiro no inquérito relacionado ao esquema de “rachadinha” que operava no gabinete do então deputado estadual – e hoje senador – Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Segundo relatório do antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão de forma “atípica” em sua conta bancária enquanto atuava como assessor do filho do presidente.

Publicidade

Com informações do Radar, da Veja

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR