Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
26 de julho de 2018, 10h47

Procurador que defende MBL contra Facebook é ativista antiesquerda nas redes

Aílton Benedito de Souza já postou que “o nazismo seria um regime de esquerda”, combate à 'ideologia de gênero' e é defensor do Projeto Escola Sem Partido

(Foto: reprodução)

Aílton Benedito de Souza, procurador do MPF-GO que emitiu um despacho nesta quarta-feira (25) em que cobra, em caráter de urgência, explicações e detalhes do Facebook sobre a retirada de 196 páginas do e 87 perfis do MBL da rede social. tem histórico de atuação antiesquerdista nas redes sociais desde 2014.

Na ocasião, Souza ganhou os holofotes ao intimar o Itamaraty a levantar a identidade de supostos jovens sequestrados e investigar uma possível rede de tráfico humano na Venezuela. O governo do país vizinho teria convocado 26 jovens do Brasil para compor a Brigada Popular de Comunicação. Acontece que o Brasil em questão era apenas um bairro do município de Cumaná, na Venezuela.

Também naquele ano, o procurador pediu a suspensão da campanha publicitária da Copa do Mundo. Para ele, a expressão “todos ganham”, utilizada na campanha, atingia “o inconsciente coletivo, de forma subliminar”. Além disso, para ele, o mote da campanha “não condizia com a realidade”.

Já em 2017, Souza entraria em outra polêmica, ao tuitar, em agosto passado que o nazismo seria um regime de esquerda. O argumento utilizado por ele era o fato de haver a palavra “socialista” em “Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães”. No mesmo dia, ao responder quem rebateu sua postagem, escreveu que “a praga SOCIALISTA alastra-se pelo Brasil”. “Mais algumas gerações, e o homo sapiens tupiniquim saboreará cadáveres no desjejum”.

O combate à ‘ideologia de gênero’ é um dos assuntos favoritos de Souza. Em junho de 2017, ele mandou  investigar banheiros supostamente unissex da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás (UFG). Também determinou a proibição de atos políticos na UFG contra ou a favor do impeachment de Dilma Rousseff.

Defensor do Projeto Escola Sem Partido, em 2016, Souza pediu apuração do MPF para saber se a universidade goiana estaria sendo utilizada para promoção de manifestações político-partidárias. No entanto, na audiência pública sobre o tema, convocou apenas duas organizações da sociedade civil: o Movimento Vem Pra Rua e o Movimento Brasil Livre, ambas de direita.

Pelo Twitter, faz críticas constantes ao que chama de “esquerdopatas”, publica contra aqueles a quem chama de “bandidólatras” e afirma que sindicatos promovem atrasos no País. Em entrevista à revista Piauí disse que expressa seus posicionamentos como cidadão, não como procurador. Ainda assim, faz questão de exibir o cargo que ocupa em sua biografia na rede social de microposts.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum