Fórumcast, o podcast da Fórum
22 de janeiro de 2019, 20h47

PT, PSB e PSOL rechaçam apoio a Maia e decidem convidar PCdoB, PDT e Rede para o bloco

“Estar junto como PSOL e o PSB, sinalizando essa independência que não vamos apoiar Maia, é um sinal muito importante de um bloco que tem compromisso com a democracia", disse o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta, após reunião com PSOL e PSB em que decidiram chamara PCdoB, PDT e Rede para o diálogo

Foto: Lula Marques

Os presidentes do PT, PSB e PSOL, junto com parlamentares das legendas, se reuniram nesta terça-feira (22) para firmar um bloco de oposição no Congresso ao governo de Jair Bolsonaro.

A reunião vem em meio a articulação de partidos do campo progressista, como PCdoB, PDT e Rede para apoiar Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara. O parlamentar carioca, no entanto, é apoiado pelo governo de Bolsonaro e, por isso, a ideia do PT, PSB e PSOL é convidar os outros partidos para compor o bloco de oposição.

“Tiramos o encaminhamento de convidar o PCdoB e a Rede para uma reunião, a fim de que se unam a esses três partidos [PT, PSB e PSOL] nessa organização aqui dentro da Casa”, afirmou a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann.

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), disse que nesse momento que o país vive em um cenário de perplexidade de agravamento das denúncias da família Bolsonaro com esquemas criminosos, “é muito importante sinalizar para a sociedade brasileira que existe dentro do parlamento uma Oposição independente neste momento”. Para Pimenta, “estar junto como PSOL e o PSB, sinalizando essa independência que não vamos apoiar Maia, é um sinal muito importante de um bloco que tem compromisso com a democracia, com a soberania e com o direito dos trabalhadores e das trabalhadoras. Isto é estratégico para o país”.

Ao término da reunião, o presidente do PSB, Carlos Siqueira, reforçou que seu partido não apoiará a reeleição de Maia. “Não há a menor chance de o PSB se aliar a Maia. Ele é o candidato de Jair Bolsonaro. Vamos fazer um esforço conjunto para enfrentar o desastroso governo de Bolsonaro”, explicou.

Já Ivan Valente (PSOL-SP) reforçou o projeto firmado na reunião de compor um bloco forte de oposição a Jair Bolsonaro. “Nossa agenda é contra os retrocessos civilizatórios nos costumes, e, particularmente, contra a agenda reacionária de retirada de direitos proposta pelo Paulo Guedes [ministro da Economia]. A proposta de conjugar todos os partidos de oposição e de esquerda é uma sinalização, simbólica, para a sociedade de que há uma grande resistência a esse governo”, disse.

*Com informações do PT na Câmara 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum