Fórumcast #20
02 de abril de 2019, 15h39

“Quem vai consumir?”, questiona deputado a industriais pró-Reforma da Previdência

Pergunta de Paulo Ramos (PDT-RJ) quebrou discurso dominante de sessão na Câmara marcada pela defesa de representantes da indústria à reforma da Previdência

Deputado Paulo Ramos (PDT-RJ) - Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

“Quem vai consumir?”, questionou o deputado federal Paulo Ramos (PDT-RJ) nesta terça-feira (02), em discurso dissonante durante Sessão Solene da Câmara na qual a Confederação Nacional das Indústrias (CNI) pautou a Reforma da Previdência como principal pauta do setor produtivo junto ao Congresso Nacional.

Em seu pronunciamento, o parlamentar pontuou que os brasileiros precisam de renda para consumir a produção da indústria brasileira e questionou o conceito de “privilégio” disseminado pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) quando se refere, especialmente, a servidores públicos que, hoje, podem receber o benefício da aposentadoria em valor acima do teto do INSS.

Paulo Ramos citou como exemplo que, já tributados em 27,5% no Imposto de Renda, esses trabalhadores arcariam com alíquotas maiores, em caso de aprovação do texto da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da chamada “Nova Previdência” – perdendo, na fonte, quase metade de seus vencimentos.

Na avaliação do deputado, isso pode ocasionar ainda mais dificuldades para a indústria nacional.

Em seguida, o líder do PDT na Câmara, deputado André Figueiredo (CE), pontuou que, enquanto a previdência é apontada como “a mãe de todas as reformas”, o sistema financeiro consome R$ 80 bilhões todos os anos “para atender o rentismo”, em detrimento do setor produtivo.

Veja também:  No PSDB, Frota parte para cima de Bolsonaro: "Onde está enterrado o Queiroz?"; veja vídeo

O parlamentar comentou que, em dez anos, o dinheiro gasto chegaria perto do trilhão que Bolsonaro espera economizar com a reforma.

Apesar do incômodo ao discurso até então dominante, os deputados do PDT arrancaram aplausos do público presente ao defender o Sistema S, cujo orçamento está no alvo do ministro da Economia, Paulo Guedes.

 

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum