Repórter da CNN vira alvo de bolsonaristas e é expulso de ato; veja vídeo

O profissional de imprensa teve que ser escoltado por policiais militares; assista

O repórter Pedro Duran, da CNN Brasil, foi expulso de ato realizado pelo presidente Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro por apoiadores do mandatário neste domingo (23). Ele estava cobrindo a manifestação.

Vídeo divulgado pelo vereador bolsonarista Douglas Gomes (PSL), de Niterói (RJ), mostra o jornalista sendo atacado por bolsonaristas, que gritam “vagabundo”, “lixo” e “CNN lixo” para o profissional de imprensa. Policiais militares escoltaram o jornalista até uma viatura para que ele saísse do local em segurança.

Notícias relacionadas

Nas redes, diversos jornalistas prestaram solidariedade ao repórter. “Se vocês aceitarem isso como normal, merecem mesmo é sobreviver debaixo de um governo autoritário. Toda solidariedade a brava equipe da CNN Brasil, hostilizada no Rio de Janeiro, ao tentar cobrir a aglomeração feita pelo presidente da República”, escreveu Renan Brites Peixoto, da TV Globo, no Twitter.

O deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG) também condenou o ataque. “Vejam as imagens da tentativa de agressão contra o repórter da CNN na manifestação fascista no Rio. Ele teve que ser escoltado e sair de camburão. Os criminosos é que prendem o trabalhador. É a democracia que está sendo destruída. #imprensalivre”, tuitou.

Quando chegou ao Brasil, a CNN era a “queridinha” do presidente Jair Bolsonaro.

Assista:

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR