Fórumcast, o podcast da Fórum
28 de março de 2019, 08h44

Saúde da mulher na ONU: Sâmia Bonfim indaga Ernesto Araújo, que gagueja e é defendido por Eduardo Bolsonaro

O Brasil se posicionou contra a universalização de serviços para saúde sexual e reprodutiva; chanceler recorreu ao discurso antiaborto e ouviu uma aula da deputada

Sãmia (no detalhe) e o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, com o deputado Eduardo Bolsonaro (Montagem/Agência Câmara)

Intervenção da deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL/SP) fez o ministro das Relações Exteriores gaguejar ao não conseguir explicar, em audiência pública na Câmara Federal nesta quarta-feira (28), por qual razões o Brasil se opôs a incluir menções sobre a universalização de serviços de saúde reprodutiva e sexual, no mais importante evento da ONU dedicado a discutir direitos das mulheres. Presidente da Comissão de Relações Exteriores e diplomata “informal” do governo, Eduardo Bolsonaro (PSL/RJ) teve de sair em defesa do chanceler.

A parlamentar insistiu, por duas vezes, para que seu questionamento fosse efetivamente respondido, após o chanceler dizer que a proposta rejeitada pelo País continha, “no contrabando, a promoção do aborto – coisa que é contra a legislação brasileira”.

Assista também: Tabata Amaral enquadra Vélez e vira um dos assuntos mais comentados do Twitter

Diante da posição de Ernesto Araújo, Sâmia Bomfim deu uma aula ao dizer que “a ONU não faz promoção do aborto”, para o qual o Brasil já possui legislação específica.

“Novamente: direitos sexuais e reprodutivos são uma área bastante ampla. (…) Tem todos os outros temas, para os quais o senhor está se negando a aceitaras recomendações a nível internacional”, apontou a deputada.

Após a negativa do ministro, Sâmia reiterou a pergunta e listou todos os outros pontos contra os quais o governo Bolsonaro ao se opor à ONU: planejamento familiar, gravidez na adolescência, mortalidade materna, acesso a contraceptivos, combate a proliferação de DSTs, entre outros.

Constrangido, Ernesto Araújo alegou que já havia respondido a questão. “O senhor está equivocado”, rebateu a parlamentar. Eduardo Bolsonaro tentou jogar panos quentes: “A audiência pública não dispõe a ter esse tipo de situação”.

Ainda assim, o chanceler seguiu balbuciando, na tentativa de se justificar, dizendo que a discussão na ONU em nada tem a ver com a da violência contra a mulher.

“Novamente, o senhor está equivocado”, encerrou Sâmia.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum