Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de março de 2019, 08h44

Saúde da mulher na ONU: Sâmia Bonfim indaga Ernesto Araújo, que gagueja e é defendido por Eduardo Bolsonaro

O Brasil se posicionou contra a universalização de serviços para saúde sexual e reprodutiva; chanceler recorreu ao discurso antiaborto e ouviu uma aula da deputada

Sãmia (no detalhe) e o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, com o deputado Eduardo Bolsonaro (Montagem/Agência Câmara)

Intervenção da deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL/SP) fez o ministro das Relações Exteriores gaguejar ao não conseguir explicar, em audiência pública na Câmara Federal nesta quarta-feira (28), por qual razões o Brasil se opôs a incluir menções sobre a universalização de serviços de saúde reprodutiva e sexual, no mais importante evento da ONU dedicado a discutir direitos das mulheres. Presidente da Comissão de Relações Exteriores e diplomata “informal” do governo, Eduardo Bolsonaro (PSL/RJ) teve de sair em defesa do chanceler.

A parlamentar insistiu, por duas vezes, para que seu questionamento fosse efetivamente respondido, após o chanceler dizer que a proposta rejeitada pelo País continha, “no contrabando, a promoção do aborto – coisa que é contra a legislação brasileira”.

Assista também: Tabata Amaral enquadra Vélez e vira um dos assuntos mais comentados do Twitter

Diante da posição de Ernesto Araújo, Sâmia Bomfim deu uma aula ao dizer que “a ONU não faz promoção do aborto”, para o qual o Brasil já possui legislação específica.

“Novamente: direitos sexuais e reprodutivos são uma área bastante ampla. (…) Tem todos os outros temas, para os quais o senhor está se negando a aceitaras recomendações a nível internacional”, apontou a deputada.

Após a negativa do ministro, Sâmia reiterou a pergunta e listou todos os outros pontos contra os quais o governo Bolsonaro ao se opor à ONU: planejamento familiar, gravidez na adolescência, mortalidade materna, acesso a contraceptivos, combate a proliferação de DSTs, entre outros.

Constrangido, Ernesto Araújo alegou que já havia respondido a questão. “O senhor está equivocado”, rebateu a parlamentar. Eduardo Bolsonaro tentou jogar panos quentes: “A audiência pública não dispõe a ter esse tipo de situação”.

Ainda assim, o chanceler seguiu balbuciando, na tentativa de se justificar, dizendo que a discussão na ONU em nada tem a ver com a da violência contra a mulher.

“Novamente, o senhor está equivocado”, encerrou Sâmia.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum