Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
29 de novembro de 2019, 07h13

Segundo vice-presidente do partido de Bolsonaro é investigado por corrupção e lavagem de dinheiro

O advogado Luis Felipe Belmonte, suplente de senador pelo PSDB, é acusado de pagar R$ 800 mil em propina para desembargador decidir a favor de decisão que o beneficiou em R$ 11 milhões

Paula e Luis Felipe Belmonte (Reprodução)

Terceiro na hierarquia da Aliança Pelo Brasil, atrás apenas do presidente Jair Bolsonaro e do primeiro-vice presidente, Flávio Bolsonaro, o advogado Luís Felipe Belmonte foi denunciado, em maio de 2017, pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo pagamento de R$ 800 mil em propina ao ex-desembargador do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 14ª Região, Vulmar Coêlho Júnior, em troca de uma decisão que liberou, em 2010, o pagamento a ele de 11 milhões de reais em precatórios em Rondônia.

Suplente de senador pelo PSDB, o advogado milionário ocupa a segunda-presidência do recém lançado Aliança Pelo Brasil, sigla que está sendo formada para abrigar Bolsonaro, que deixou o PSL.

Segundo reportagem da revista Veja nesta sexta-feira (29), a denúncia contra Belmonte corre em primeira instância na Justiça Federal de Rondônia. O desembargador Vulmar Júnior foi aposentado compulsoriamente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em 2017 por fraudes no processo que beneficiou Belmonte.

Locador da PGR
Casado com a deputada federal Paula Belmonte, eleita em 2018 pelo Cidadania no Distrito Federal, Belmonte chegou ao partido de Bolsonaro pelas mãos da advogada Karina Kufa, a tesoureira da sigla, e foi ele quem pagou o aluguel de R$ 5 mil pela sala do hotel Royal Tulip usada no dia do lançamento da sigla.

Dono de um patrimônio de R$ 65,7 milhões, Belmonte tem entre seus bens, os prédios alugados em Brasília à Procuradoria-Geral da República (PGR) e da sede do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

A PGR faz locação do Edifício Alvoran da Kasar Investimentos Imobiliários, incorporadora de Belmonte. O valor mensal é de R$ 195 mil. Batizado em homenagem ao pai do advogado, o Edifício Adail Belmonte é a sede do CNMP e rende R$ 574 mil por mês. Os dois contratos de locação, firmados com dispensa de licitação, foram assinados em 2011 e valem até 2021.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum