Senador é acusado de oferecer R$ 100 milhões em emendas por apoio a Bolsonaro

Eduardo Gomes, líder do Executivo no Congresso, teria feito a proposta ao senador Jorge Kajuru para ele “não bater no governo desse jeito”

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), está sendo acusado de ter oferecido R$ 100 milhões em emendas parlamentares para que o também senador, Jorge Kajuru (Podemos-GO), apoiasse Jair Bolsonaro.

A denúncia do deputado de Goiás foi divulgada na revista Crusoé. Kajuru declarou que a suposta declaração de Gomes teria ocorrido para o seu assessor de orçamento. O parlamentar do Podemos, porém, não apresentou provas.

“Agora, eu te digo que o meu assessor de orçamento ouviu da boca do senador Eduardo Gomes, de quem eu gosto, e que é muito educado, o seguinte: ‘O Kajuru podia ter 100 milhões (de reais) em emendas. Fala para o Kajuru mudar, não bater no governo desse jeito’”, afirmou o deputado do Podemos.

Kajuru disse, ainda, que ao ser informado da suposta oferta, procurou Gomes e disse: “Vou fingir que você não falou isso porque, se tivesse falado comigo, eu teria gravado e colocado no ar”.

Explicação

Ainda conforme o senador, ele mesmo tem verbas oficiais e legais, que somam R$ 27 milhões. Para ele, qualquer quantia acima precisaria ser explicada à sociedade como estão ocorrendo esses gastos.

“Como é que tem senador que conseguiu 150 milhões para o Rio Grande do Sul, como o [Luis Carlos] Heinze (PP-RS)? Como tem senador que conseguiu 200 milhões para o Amapá, como o Davi [Alcolumbre (DEM-AP)]? Isso tudo tinha que ser absolutamente esclarecido. Isso tudo o presidente sabe. Aí está a responsabilidade dele, grave, de ter comandado tudo. Não tem desculpa”, acrescentou Kajuru.

Com informações do UOL

Publicidade
Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR