Cartas do Pai: Conselho de Medicina

Nas Cartas do Pai de hoje, Ivan Cosenza pensou no seguinte: e se um médico fosse proibido de receitar remédios sem eficácia? Bem... Isso já é proibido

Rio de Janeiro 02 de Junho de 2021.

Pai,
Esta semana a CPI da Covid chamou uma “médica” que confirmou que o presidente queria mudar a bula da cloroquina, para adaptar ao tratamento da doença do coronavírus.
Um absurdo, pai!
Tudo que vem deste governo é muito surreal.
Ninguém entendia como uma médica poderia concordar com tantas barbaridades e ir contra à ciência. Ir contra a própria medicina que ela deveria defender.
Aí ela abriu a boca e todos entenderam.
Ela não sabe a diferença entre um vírus e um protozoário.
Então temos um presidente que receita remédios sem ser médico, e uma médica que não entende de medicina.
Com tudo isso que vem acontecendo nos últimos tempos, me veio uma ideia assim do nada!
E se a categoria médica criasse um conselho entre eles que pudesse fiscalizar a atividade dos médicos no Brasil?
Não seria fantástico se isso existisse?
Um Conselho Nacional de Médicos.
Já pensou?
Aí, quando um médico receitasse um remédio que não tem comprovação científica, eles iriam lá e responsabilizavam ele ou ela, por isso!
E mais, poderiam também fiscalizar pessoas (presidente) que estivesse receitando remédios sem ser médico!
Isso poderia ser chamado de “prática ilegal da medicina”.
Poderiam até fazer uma lei sobre isso!
Será que algum deputado se interessaria em propor uma lei assim?
Se isso existisse nada disso estaria acontecendo.
Vou divulgar essa minha ideia.
Um beijo do seu filho,
Ivan

**Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Avatar de Ivan Cosenza de Souza

Ivan Cosenza de Souza

Cronista, produtor cultural, curador da obra de Henfil, seu pai, e presidente do Instituto Henfil. Escreve as Cartas do Pai para a Revista Fórum.
Henfil veste Pela Esquerda. Camisa da Ursal à venda no link abaixo:

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR