Covid-19: a segunda onda e o mar de irresponsabilidade

Leia na coluna de Alexandre Padilha: Enquanto o número de casos de Covid-19 volta a crescer no país, Bolsonaro continua com sua postura irresponsável na condução da pandemia, só que agora é com o desenvolvimento de uma vacina para a doença.

O Brasil foi o único país do mundo que registrou por 14 semanas consecutivas mais de mil mortes diárias por Covid-19. Por muito tempo, fomos o segundo país com mais casos registrados da doença. Após oito meses de pandemia, ocupamos agora o terceiro lugar, com mais de cinco milhões de casos confirmados.

Ainda em meio à maior tragédia humana que o país já enfrentou, estados brasileiros, incentivados pela postura irresponsável do governo Bolsonaro, flexibilizaram o isolamento social e reabriram um conjunto de atividades que geram contato e reduzem o distanciamento, ainda no meio da pandemia. Agora, é nítida a rebordosa no estado de São Paulo: aumento de 18% das internações por Covid-19.

Uma internação por Covid-19 significa que a infecção foi contraída pelo menos sete dias antes da hospitalização, ou seja, revela o impacto da incidência de transmissão de 10 a 15 dias antes. Acredito que os principais efeitos para essa segunda onda estão relacionados a sensação do “liberou geral”, já que muitos casos estão sendo relatados com histórico recente de confraternizações como churrascos, festas e bares, ambientes com grande circulação do vírus, onde muitas vezes o protocolo de segurança não é feito de maneira adequada.

O outro fator é o retorno dos procedimentos de saúde que foram represados, deixando as pessoas mais expostas aos ambientes hospitalares, que são de grande risco. Como médico infectologista, tenho recebido muitos pedidos de avaliação sobre esses casos em especifico.

Enquanto o número de casos de Covid-19 volta a crescer no país, Bolsonaro continua com sua postura irresponsável na condução da pandemia, só que agora é com o desenvolvimento de uma vacina para a doença. Ele declara descaradamente uma guerra xenofóbico-ideológica contra um dos imunizantes que está se mostrando ser dos mais eficazes.

A condução equivocada da Anvisa e do Ministério da Saúde na comunicação da suspensão dos testes da vacina chinesa Coronavac, após o registro de óbito de um dos voluntários, mesmo sem confirmação da causa, foi questionada por mim e por outros parlamentares na Câmara dos Deputados. Convocamos ambos os órgãos para esclarecerem quais os motivos para o lapso de 10 dias para cobrar esclarecimentos sobre o caso. Depois foi confirmado que o óbito não estava relacionado ao teste da vacina.

O Brasil não aguenta mais atitudes irresponsáveis de governos que não defendem a vida e negam a ciência. A pandemia não terminou e ainda precisamos ficar atentos. As únicas vacinas que ainda temos são a precaução, a higienização das mãos, o isolamento social e o uso adequado de máscara.

Avatar de Alexandre Padilha

Alexandre Padilha

Médico, professor universitário e deputado federal eleito pelo PT-SP. Criador do Mais Médicos, ministro da Coordenação Política de Lula e da Saúde de Dilma e secretário da gestão Haddad. É colunista da Revista Fórum.
Contato: www.padilhando.com.br