Raphael Silva Fagundes

27 de Maio de 2019, 19h41

O nível máximo da insanidade: em defesa do mercado e de um Executivo forte

Raphael Fagundes: “As classes dominantes fazem de tudo para que as pessoas não entendam a política. Por isso, nos períodos em que esse conhecimento se torna mais acessível, as corporações se mobilizam em prol das ideias mais insanas para ludibriar a população e conter a sua explosão consciente”

Foto: Reprodução/Buzz Feed News

“Democracia é a arte de impedir o povo de se interessar por aquilo que lhe diz respeito…, mas que, ao mesmo tempo, obriga as pessoas a decidir sobre o que nada entendem”. Essa frase de Paul Valéry resume bem o que vemos nas passeatas em defesa do governo.

É lógico que as pessoas que ali estavam pensam muito mais por meio de princípios ideológicos, moralistas etc., que por meio da prática. Para muitos, escolher entre cortar recursos da educação e cobrar impostos das igrejas, a primeira opção seria muito mais viável para o progresso do país. Escolher entre retirar direitos trabalhistas e aumentar a tributação das grandes fortunas, seria intragável concordar com a última proposta.

Eles não se interessam pela educação ou pela saúde e ampliar o acesso a essas grandezas iria ferir a forma como entendem sobre aquilo que não entendem.

Grande parte ali é massa de manobra de empresários leigos e religiosos que pagam por meio de moedas materiais e espirituais. E se a esquerda tem seus “idiotas úteis”, a direita teve o prazer de exibir os seus.

Contudo, todos esses movimentos têm um lado. Nenhum está a favor do povo. Até porque, “povo” é uma palavra vazia que qualquer um que a usa pode dar o sentido que bem entende. Existem interesses práticos. Os professores e os estudantes defendem a educação, os trabalhadores uma previdência justa. Os manifestantes deste domingo (26) defendiam os interesses empresariais que, por sua vez, clamam pela reforma, por investimentos estrangeiros, menos Estado e mais força ao Executivo.

Os professores e estudantes querem a ação do Estado, investimentos públicos. Já os bolsonaristas querem, de forma contraditória, um Executivo forte e um Estado fraco para que prevaleça o livre-mercado. Essa mistura é a mais perigosa que pode haver na política se pensarmos, evidentemente, na perspectiva da população desamparada. Um Executivo que se sobreponha ao Legislativo e ao Judiciário já é ruim. Imagine se as corporações tiverem mais força que esses dois últimos?

Curiosamente, somente a democracia permite que alguém defenda uma mistura tão insana e tóxica para a população. É a maneira mais radical de impedir ao “povo” que tenha o direito de defender o que é de seu interesse.

As classes dominantes fazem de tudo para que as pessoas não entendam a política. Por isso, nos períodos em que esse conhecimento se torna mais acessível, as corporações se mobilizam em prol das ideias mais insanas para ludibriar a população e conter a sua explosão consciente. Vivemos no vórtice desse período! As manifestações que presenciamos na atualidade representam cada lado dessa moeda política: de um lado, os que adquiriram um certo grau de consciência política prática; de outro, os que servem para conter essa explosão de consciência. A retirada da faixa em defesa da educação em frente ao prédio da UFPR pelos manifestantes, deste domingo (26), é a prova do que estamos querendo descrever aqui.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum