Em novo vídeo, Blogueirinha do Fim do Mundo ironiza Sergio Moro e relembra crimes da Vale; assista

"Ou você trabalha como juiz, prende o candidato que tá em primeiro lugar nas pesquisas e vira ministro do candidato que foi eleito ou você deita a cabeça na cuba da pia e joga bastante água para tirar tudo. Pra evitar a sujeira, eu prefiro a segunda opção", diz Maria Bopp, para tirar a argila da textura de Brumadinho do rosto

Em novo vídeo divulgado nesta segunda-feira (2) pós-Carnaval, Maria Bopp, a blogueirinha do fim do mundo fala de forma irônica sobre os desmandos de Jair Bolsonaro, o salto de Sergio Moro da Lava Jato ao Ministério da Justiça, o partido Noivo e relembra os desastres da Vale com o rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais.

Ao ensinar como fazer uma máscara de argila, a blogueirinha diz que usa a técnica quando tem uma “ocasião especial no dia”, como ter “um date com um crush ou vou exaltar um torturador”, referindo-se às declarações de Jair Bolsonaro, que já exaltou nomes como de Carlos Alberto Brilhante Ustra e Augusto Pinocht.

“A argila que eu faço é essa aqui: ela tem mais ou menos a textura da lama da barragem rompida de Brumadinho e deixa um rastro de impunidade e sofrimento. Apriveita que licença ambiental só atrapalha e espalha por igual. Confia, gente: privatiza! Segue privatizando. E aí espera secar por mais ou menos um ano que você já consegue retomar o valor no mercado”, diz. “Vale, viu?”, complementa.

E para a tirar a máscara ela dá duas opções. “Ou você trabalha como juiz, prende o candidato que tá em primeiro lugar nas pesquisas e vira ministro do candidato que foi eleito ou você deita a cabeça na cuba da pia e joga bastante água para tirar tudo. Pra evitar a sujeira, eu prefiro a segunda opção”, diz.

Assista

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR