Segundo o Intercept Brasil, Deltan suspeitava que Ramagem era um vazador

Segundo Deltan, Ramagem era um grande amigo do delegado Mario Fanton, que em 2015 havia acusado a operação Lava Jato de manipulação de provas e que acabou sendo denunciado por violação de sigilo funcional

Esta manhã, o mundo político brasileiro acordou em polvorosa com a revelação do empresário Paulo Marinho para a jornalista Mônica Bergamo.

Segundo ele, a Polícia Federal segurou a Operação Furna da Onça para 8 de novembro com o objetivo de evitar prejudicar a campanha de Jair Bolsonaro.

A operação foi responsável por revelar o esquema de “rachadinhas” no gabinete de Flávio Bolsonaro, comandado por Fabrício Queiroz, de Rio das Pedras.

A operação era um desdobramento do depoimento do delator Caio Miranda, que foi fruto da operação Cadeia Velha, a operação que antecedeu Furna da Onça e que tinha quem como delegado encarregado?

Isso mesmo, Alexandre Ramagem!

Ramagem não seguiu na operação Furna da Onça e encerrou seu relatório sobre a operação Cadeia Velha em dezembro de 2017.

Uma reportagem do site Intercept Brasil revelou que o procurador Deltan Dallagnol nunca confiou em Ramagem.

Segundo Deltan, Ramagem era um grande amigo do delegado Mario Fanton, que em 2015 havia acusado a operação de manipulação de provas e que acabou sendo denunciado por violação de sigilo funcional.

Dois anos depois, em 2017, a desconfiança de Deltan sob Ramagem aumentou ainda mais quando o procurador Ângelo Goulart Vilela foi preso por suspeita de ter vendido informações sigilosas da operação Greenfield.

O procurador teria dividido casa com Ramagem em Boa Vista e eles ainda trabalharam juntos em Roraima de 2008 a 2011.

Porém não trabalharam juntos na operação Greenfield.

Veja alguns dos diálogos de Deltan sobre Ramagem:

Segundo Paulo Marinho, o delegado desconhecido da PF avisou Flávio uma semana após o primeiro turno, algo próximo de 14 de outubro.

Se eu acho que Ramagem era o sujeito oculto? Não sei. Mas definitivamente essa é mais uma das centenas de misteriosas coincidências que rondam a família presidencial.

Como quando Eduardo Bolsonaro chegou na Bahia dois dias antes da morte de Adriano e suspendeu sua agenda de viagens pelo Norte e Nordeste do país para ficar em Salvador, a 4 horas da cidade de Esplanada, onde o miliciano foi morto.

Também não é a primeira vez que informações da série Vaza Jato se cruzam com outros detalhes da política.

Uma revelação do Intercept Brasil, feita no final de abril, colocou a família Bolsonaro no caso Marielle mais uma vez.

Avatar de Cleber Lourenço

Cleber Lourenço

Não acho que o debate politico e o jornalismo precisem distribuir informação de forma fria e distante dos leitores, notícias são somente úteis no contexto do cotidiano e é nisso que acredito.

E-mail: cleber@ocolunista.com.br