o colunista

por Cleber Lourenço

Fórum Educação
17 de Maio de 2020, 10h25

Segundo o Intercept Brasil, Deltan suspeitava que Ramagem era um vazador

Segundo Deltan, Ramagem era um grande amigo do delegado Mario Fanton, que em 2015 havia acusado a operação Lava Jato de manipulação de provas e que acabou sendo denunciado por violação de sigilo funcional

Foto: Rodrigues Pozzebom e Marcos Oliveira/Montagem

Esta manhã, o mundo político brasileiro acordou em polvorosa com a revelação do empresário Paulo Marinho para a jornalista Mônica Bergamo.

Segundo ele, a Polícia Federal segurou a Operação Furna da Onça para 8 de novembro com o objetivo de evitar prejudicar a campanha de Jair Bolsonaro.

A operação foi responsável por revelar o esquema de “rachadinhas” no gabinete de Flávio Bolsonaro, comandado por Fabrício Queiroz, de Rio das Pedras.

A operação era um desdobramento do depoimento do delator Caio Miranda, que foi fruto da operação Cadeia Velha, a operação que antecedeu Furna da Onça e que tinha quem como delegado encarregado?

Isso mesmo, Alexandre Ramagem!

Ramagem não seguiu na operação Furna da Onça e encerrou seu relatório sobre a operação Cadeia Velha em dezembro de 2017.

Uma reportagem do site Intercept Brasil revelou que o procurador Deltan Dallagnol nunca confiou em Ramagem.

Segundo Deltan, Ramagem era um grande amigo do delegado Mario Fanton, que em 2015 havia acusado a operação de manipulação de provas e que acabou sendo denunciado por violação de sigilo funcional.

Dois anos depois, em 2017, a desconfiança de Deltan sob Ramagem aumentou ainda mais quando o procurador Ângelo Goulart Vilela foi preso por suspeita de ter vendido informações sigilosas da operação Greenfield.

O procurador teria dividido casa com Ramagem em Boa Vista e eles ainda trabalharam juntos em Roraima de 2008 a 2011.

Porém não trabalharam juntos na operação Greenfield.

Veja alguns dos diálogos de Deltan sobre Ramagem:

Segundo Paulo Marinho, o delegado desconhecido da PF avisou Flávio uma semana após o primeiro turno, algo próximo de 14 de outubro.

Se eu acho que Ramagem era o sujeito oculto? Não sei. Mas definitivamente essa é mais uma das centenas de misteriosas coincidências que rondam a família presidencial.

Como quando Eduardo Bolsonaro chegou na Bahia dois dias antes da morte de Adriano e suspendeu sua agenda de viagens pelo Norte e Nordeste do país para ficar em Salvador, a 4 horas da cidade de Esplanada, onde o miliciano foi morto.

Também não é a primeira vez que informações da série Vaza Jato se cruzam com outros detalhes da política.

Uma revelação do Intercept Brasil, feita no final de abril, colocou a família Bolsonaro no caso Marielle mais uma vez.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum