escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de janeiro de 2012, 15h40

Rudá Ricci: Mediocridade na análise política

A polarização ideológica-partidária que tomou a grande imprensa brasileira empobreceu o já tímido debate político em nosso país. Ficou mais para torcida de auditório que para análise crítica. Dá lombeira ler artigos pró e contra que adotam os argumentos mais insignificantes e confundem desejo com interpretação.

Por Rudá Ricci, no Brasil 247

A polarização ideológica-partidária que tomou a grande imprensa brasileira empobreceu o já tímido debate político em nosso país. Ficou mais para torcida de auditório que para análise crítica. Dá lombeira ler artigos pró e contra que adotam os argumentos mais insignificantes e confundem desejo com interpretação.

O que dizem os dados de pesquisa sobre política tupiniquim?

1) A maioria dos brasileiros está focada no seu bem-estar. Ponto. Nem de longe se aproxima do debate ideológico que tucanos e petistas-lulistas travam. Menos ainda em relação ao discurso dos partidos satélites

2) Mais da metade dos brasileiros é classe média (aumento de 20% em 2011), num país que se tornou a 6a potência mundial. Se relacionarmos com o item anterior, do ponto de vista político é absolutamente inócuo discutir se o que temos é crescimento do PIB ou desenvolvimento. Para os brasileiros que votam, o que interessa é manter o poder aquisitivo e dar segurança à sua família.

3) O Brasil cresce pouco na Era Dilma, mas o que interessa é que o consumo continua alto. Está ultrapassando 2,5 trilhões de reais ano. Ligeiramente superior ao crescimento do PIB (se comparado a 2010), mas acima. É verdade que houve uma queda no otimismo exacerbado das famílias. Segundo o ICF (Índice de Intenção de Consumo das Famílias), realizado pela CNC (Confederação Nacional do Comércio), as famílias estão menos dispostas a consumir, se comparado a 2010, um recuo de 5,6% (comparação entre dezembro de 2010 e dezembro de 2011). Há controvérsias, contudo, a respeito deste recuo. Vários autores sugerem uma mudança – que seria mais sustentável – no perfil do consumo e início da construção da poupança familiar, algo inédito em nosso país.

4) O governo Dilma Rousseff surfa nesta onda. Não tem competência política, mas consegue somar esta onda consumista e de estabilidade familiar com a “adoção” pela grande imprensa. A grande imprensa aplaudiu a tal “faxina moral” com muita torcida para a montagem da coalizão presidencialista lulista sofrer abalos fatais. Alguns editoriais foram honestos nesta linha; outros, revelaram ressentimento em relação ao lulismo.

5) Mas nada garante que Lula ou o lulismo tenham sido afetados. Pelo contrário. Vários jornais e analistas políticos se esquecem que Lula entrou de sola quando houve algum abalo real na coalizão (em maio). Lula assumiu o comando da campanha de 2012 e chegou a tratar diretamente do futuro do ministro Fernando Haddad. Haveria maior sinalização que Dilma não comanda politicamente? Não há outra sinalização clara além do comando gerencial. E ponto. O resto é sonho ou explicação barroca para dar esperança de vida ao desejo pessoal do analista.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum