Mídia transmite ao vivo filiação do lanterninha e ignora viagem internacional do favorito

Que "jornalismo" é esse? Que "manual de redação" define que o primeiro colocado nas pesquisas sendo aclamado na Europa não é notícia?

CYNARA MENEZES

Há uma semana, o ex-juiz Sergio Moro, aquele que “jamais entraria para a política”, se filiou ao Podemos. A cerimônia ganhou destaque no Jornal Nacional, principal informativo da Rede Globo, que dedicou 2m39s ao ex-ministro da Justiça de Jair Bolsonaro. O discurso de Moro, que aparece com cerca de 8% nas pesquisas para as eleições de 2018, empatado num longínquo terceiro lugar com Ciro Gomes, foi transmitido ao vivo pela CNN Brasil, JP News, BandNews e UOL.

No mesmo dia da filiação de Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, primeiro colocado disparado em todas as pesquisas até agora, embarcava para uma viagem internacional. Lula teria compromissos com lideranças progressistas europeias na Bélgica, França e Espanha. Na segunda-feira, 15 de novembro, o ex-presidente foi ovacionado no Parlamento Europeu, onde discursou dentro da Conferência de Alto Nível da América Latina, promovida pelo bloco social-democrata.

O Jornal Nacional não deu nem um segundo sequer ao fato. Os principais jornais, portais e TVs do país só noticiaram a presença de Lula em Bruxelas para destacar a frase dele sobre o tucano Geraldo Alckmin, cotado para ser vice do petista. Até o momento, o ex-presidente se encontrou, entre os nomes mais destacados de sua agenda, com o prêmio Nobel de Economia de 2001, Joseph Stiglitz, com o vice-presidente da Comissão Europeia, Josep Borrell, e com Olaf Scholz, que venceu a última eleição da Alemanha e pode se tornar o próximo primeiro-ministro do país, sucedendo Angela Merkel. Nada disso foi “notícia” para a mídia comercial brasileira.

O que se discute não é se Moro merecia a atenção dada a ele pelo noticiário. Em termos jornalísticos, se o algoz de Lula que se tornou ministro de Bolsonaro se filia a um partido visando se candidatar à presidência, isso é notícia em qualquer lugar do mundo. O que se discute é como o alvo do ex-juiz, que foi presidente da República e é o candidato favorito à presidência, não é notícia. Detalhe: a viagem de Lula foi destaque em veículos europeus, como o espanhol El Pais, a rede de notícias alemã Deutsche Welle e Rádio França Internacional.

O que se discute não é se Moro merecia a atenção dada a ele pelo noticiário. Se o algoz de Lula se filia a um partido visando concorrer à presidência, isso é notícia. O que se discute é como o alvo dele, que foi presidente e é o favorito em 2022, não é

Compare com a atuação de portais alternativos como Brasil247, Diário do Centro do Mundo e a Revista Fórum, assumidamente de esquerda e alcunhados “blogs sujos” pela mídia corporativa. Todos eles logicamente cobriram com destaque a filiação de Sergio Moro, e da mesma forma têm acompanhado a viagem de Lula. Impedir os leitores de ser informados sobre um destes acontecimentos seria absurdo e indigno der chamado de jornalismo.

Que “jornalismo” é esse? Que “manual de redação” define que o primeiro colocado nas pesquisas sendo aclamado na Europa não é notícia, mas a filiação de um dos lanterninhas é? O viés raivosamente antipetista da mídia comercial tem sido uma desgraça para o jornalismo brasileiro desde pelo menos 2005. Ao mesmo tempo que se diz “imparcial”, a chamada grande imprensa subverteu todas as regras sobre o que é ou não notícia, um desvio ético que pavimentou o caminho para as fake news dos sites criminosos que agora combate.

Uma das saídas para o momento trágico que vive o Brasil passa pelo “mea culpa” que a mídia comercial cobra do PT e de Lula, mas não está disposta ela mesma a fazer. Passa por recolocar o jornalismo brasileiro de volta nos trilhos do bom jornalismo, que não precisa ser “imparcial”, mas honesto. O que a mídia comercial faz desde que Lula chegou ao poder, comportamento piorado nos anos Dilma Rousseff, está bem longe disso. Voltem aos manuais, senhores.

Publicidade
Avatar de Socialista Morena

Socialista Morena

Uma nova forma de fazer jornalismo. Cultura, política, feminismo, direitos humanos, mídia e trabalho. Editora: Cynara Menezes

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR