O que o brasileiro pensa?
15 de janeiro de 2020, 17h47

Água suja no RJ: UFRJ cobra ações dos governos federal e estadual para resolver crise

Para a universidade, a responsabilidade sobre a qualidade da água na região metropolitana do Rio não pode recair apenas sobre a CEDAE

Água contaminada no Rio de Janeiro/Reprodução

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) publicou na tarde desta quarta-feira (15) uma nota técnica e uma avaliação sobre a crise que se formou no entorno da qualidade da água que está chegando na maioria das residências da região metropolitana do Rio de Janeiro. A instituição cobrou que as esferas federal, estadual e municipal atuem com políticas públicas em favor da proteção das águas.

“A companhia de saneamento [CEDAE] é responsável pelo controle da qualidade da água tratada, respeitando as resoluções legais. A vigilância da qualidade da água é de responsabilidade do setor da Saúde (Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais e Municipais da Saúde), que deve garantir a segurança e qualidade da água a ser distribuída para a população”, diz a reitoria ao compartilhar estudo elaborado por pesquisadores da universidade.

Com essa postura, a UFRJ tira da CEDAE a responsabilidade total pela crise, como vinha sendo imposta por meios de comunicação e pela esfera pública. A nota técnica, no entanto, não “poupa” a companhia e afirma que ela precisa dar um informe que esclareça à população fluminense sobre a real qualidade da água que tem sido oferecida. Há cerca de 10 dias começaram relatos de que a água fornecida estaria amarronzada, com gosto de terra e estaria provocando diarreias e gastroenterite.

“Diferentemente do que havia sido anunciado pela Cedae, os laudos divulgados até a manhã do dia 15/1/2020 não fazem referência à identificação da presença de geosmina, corroborando assim para a permanência da incerteza relacionada à qualidade da água distribuída para a população, que continua recebendo água com turbidez e odor em
alguns pontos da RMRJ. Ressalta-se a importância da apresentação dos resultados das análises dos demais parâmetros preconizados na legislação vigente, bem como esclarecimentos sobre a implantação de medidas tomadas pela companhia para resolução dos problemas apontados na água distribuída. A empresa anunciou que iniciará o
emprego de carvão ativado na estação de tratamento, mas não informa quando efetivamente tal medida será iniciada e quais os resultados esperados”, diz trecho do documento.

Para os pesquisadores da universidade, a solução deve ser de longo prazo, porque há risco do problema voltar a acontecer. “Os investimentos necessários para essa recuperação não podem mais ser adiados e devem ser considerados prioritários e estratégicos. […] Esse problema crônico tem reflexos altamente negativos na economia e na saúde pública, e está diretamente relacionado com a perda da qualidade da água de nossos mananciais, aumentando o risco e a vulnerabilidade das populações humanas”, afirmam.

Assinam a nota Fabiana Valéria da Fonseca, da Escola de Química; Francisco de Assis Esteves, do Instituto de Biodiversidade e Sustentabilidade; Iene Christie Figueiredo e Isaac Volschan Jr, do Departamento de Recursos Hídricos e Meio Ambiente; Renata Cristina Picão, do Instituto de Microbiologia Paulo de Góes; e Sandra Maria Feliciano de Oliveira e Azevedo, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum