Bolsonaro leva a 7ª multa por não usar máscara em SP; total pode chegar a R$4,5 milhões

Presidente, que segue fazendo campanha antecipada, desrespeitou regras sanitárias em Peruíbe, no litoral sul paulista

A prefeitura de Peruíbe, no litoral sul de São Paulo, informou neste sábado (9) que multou o presidente Jair Bolsonaro por desrespeitar a obrigatoriedade do uso de máscara.

Hospedado no Guarujá para passar o feriado de Nossa Senhora Aparecida, o chefe do Executivo passeou por Peruíbe e aglomerou sem máscara com apoiadores, comeu pastel em uma feira e, mais uma vez, carregou uma criança fardada fazendo gesto de arma com as mãos.

A multa aplicada pela administração da cidade litorânea é de R$500 e tem como base o decreto municipal que estabelece regras sanitárias contra a disseminação do coronavírus.

No início da tarde, o prefeito de Peruíbe, Luiz Maurício (PSDB), criticou a presença de Bolsonaro na cidade e aproveitou para elogiar seu correligionário João Doria, governador do estado.

“Só não percebe a diferença quem não quer. O João Doria e o Rodrigo Garcia veem à Peruíbe e visitam obras, inauguram a Praça Flórida, liberam R$ 5M para arrumar a orla e R$ 22M para nosso hospital. O Jair Bolsonaro vem comer pastel. O que vc quer para o Brasil?”, escreveu o prefeito em suas redes sociais.

Bolsonaro já levou, ao todo, 6 multas aplicadas pelo governo de São Paulo devido a desrespeito do presidente às regras sanitárias. Segundo o Palácio dos Bandeirantes, o valor total da punição pode chegar a R$4,5 milhões.

O primeiro governador a multar Bolsonaro por não usar máscara foi Flávio Dino (PSB), do Maranhão, em maio deste ano.

Publicidade
Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR