Caso Evaldo: Julgamento é retomado e advogado diz que prova contra militares ‘é muito forte’

Veículo em que Evaldo Rosa estava com a família teria sido atingido por 62 disparos; militares chegaram a ser presos em 2019, mas foram soltos após decisão do Superior Tribunal Militar

Após quatro adiamentos, a Justiça Militar vai julgar nesta quarta-feira (13) os militares acusados de terem disparado mais de 250 tiros contra o músico Evaldo dos Santos Rosa, em abril de 2019, em Guadalupe, na zona norte do Rio de Janeiro. Além de Evaldo, o catador de materiais recicláveis Luciano Macedo, que tentou ajudar o músico, também acabou sendo morto na ocasião

André Perecmanis, advogado da família de Evaldo e assistente de acusação, disse que não há como prever se os 12 militares serão condenados ou não. Porém, ele afirmou à Revista Fórum que a prova é muito forte contra eles. “A versão deles não tem nenhum amparo no processo.”

Na época, os militares falaram que confundiram o carro de Evaldo com o de criminosos que teriam roubado um veículo da mesma cor, pouco tempo antes. Eles chegaram a ser presos em 2019, mas foram soltos após a decisão do Superior Tribunal Militar (STM) que concedeu a eles o direito de aguardar o julgamento em liberdade. Eles foram afastados das funções nas ruas.

Notícias relacionadas

Relembre o caso

Em abril de 2019, Evaldo dirigia um carro onde levava a esposa, Luciana Nogueira, o filho de 7 anos, o sogro e uma amiga para um chá de bebê. No bairro de Guadalupe, o carro foi alvo dos fuzis e das pistolas dos militares. Evaldo e Luciano morreram na hora.

Laudo realizado à época revelou que cerca de 257 disparos foram realizados contra o carro. O Ministério Público Militar pediu a prisão de 8 dos 12 envolvido. Em sua alegação final, o MPM afirma ter comprovado 82 tiros e deixa claro que houve dificuldade para comprovar quantos tiros foram disparados por cada militar envolvido na ação. Evaldo levou nove tiros.

Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR