Em manifestação histórica, brasileiros vão às ruas e exigem “Fora Bolsonaro”; veja vídeos

A população, esgotada pela ação de um governo irresponsável e criminoso, foi às ruas para demonstrar toda indignação represada durante a pandemia

A Avenida Paulista, em São Paulo, tomada por milhares de pessoas que gritaram “Fora Bolsonaro”, foi uma síntese do que ocorreu neste sábado (29), em todo o país. Os brasileiros, esgotados por um governo irresponsável e criminoso, foram às ruas para demonstrar toda indignação represada durante a pandemia.

Milhares de manifestantes ocuparam as ruas de todas capitais, além de mais de 100 cidades pelo país. As palavras de ordem eram pelo impeachment de Bolsonaro, auxílio emergencial de R$ 600,00, além de um plano de vacinação mais eficiente contra a Covid-19.

A população respondeu à convocação das frentes Brasil Popular e Povo sem Medo e foi às ruas, mesmo respeitando as medidas de segurança para evitar a contaminação do coronavírus.

As imagens pelo país impressionam pela adesão maciça da população ao movimento que visa mudanças diante das práticas do governo federal.

Violência

A se lamentar, a violência da Polícia Militar (PM) de Pernambuco, que reprimiu com truculência a manifestação em Recife, usando tiros de bala de borracha e spray de pimenta. Pelo menos três pessoas ficaram feridas, entre elas a vereadora do Recife, Liana Cirne (PT).

O dia #29M teve a participação de partidos de esquerda, sindicatos, entidades estudantis, quilombolas, indígenas, movimentos sociais de trabalhadores do campo e torcidas organizadas de times de futebol.

Veja imagens das manifestações espalhadas pelo Brasil:

Mônica Martelli lembra o amigo Paulo Gustavo – Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Ivan Longo
Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR