Administrador da Wikipédia rebate ameaça de processo de Weintraub: “Tentativa de censura”

“Enquanto responsável pela pasta da educação no país, o ministério deveria entender o papel educacional da Wikipédia e contribuir para a sua evolução e adoção”, disse Rodrigo Padula

“Vejo essa atitude como uma tentativa de censura e total incompreensão do que é a Wikipédia e suas dinâmicas”. Esta é a resposta de Rodrigo Padula, gerente de projetos da wiki educação Brasil e administrador da Wikipédia em português, à ameaça de processo feita pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Padula recebeu um e-mail do MEC dizendo que se não fosse retirada a restrição de edições no verbete do ministro seriam tomadas “medidas judiciais cabíveis”.

O Facebook silenciou a Fórum. Censura? Clique aqui e nos ajude a lutar contra isso

“Anteriormente, o ministério havia tentado se comunicar com a Wikipédia através de um e-mail do site. Um editor que gere esses e-mails me repassou a questão e, como eu trabalho em vários projetos com instituições públicas relacionadas à Wikipédia, entrei em contato pessoalmente com o MEC para esclarecimentos”, relatou Padula à Fórum.

Ele revelou que, na ocasião, se ofereceu para dar uma palestra e até um treinamento sobre as dinâmicas da Wikipédia, para orientar e capacitar a equipe do ministério. Porém, sem resposta. “Recebi dias atrás essa nova mensagem com a ameaça judicial, que era não somente direcionada a mim, mas aos editores do projeto”.

Prática comum

Padula destacou que a restrição para edições é uma prática comum. “Quando um verbete é muito editado de maneira imprópria, vandalizado frequentemente, protegemos por um período para manter uma versão estável e de qualidade, evitando retrabalho. Isso é comum, fazemos proteções quase que diariamente nas mais diversas áreas”.

Segundo o administrador da Wikipedia, o artigo do ministro havia sido protegido novamente por um período longo, excessivo. “O que eu fiz foi desproteger novamente para que qualquer pessoa possa editar o verbete, edições boas são aceitas, edições ruins tendem a ser eliminadas. Caso volte a ser vandalizado ou editado de forma equivocada o verbete pode ser protegido novamente, isso é algo comum à Wikipédia”, explicou.

Publicidade

Padula não vê qualquer ilegalidade no verbete, em seu conteúdo e nos atos praticados pelos voluntários. “O que observo é o uso indevido do poder do Estado para tentar pressionar editores voluntários a cumprir as vontades do ministro. O verbete dele nada mais é do que um texto biográfico. Inclusive, já há entendimento do STF no que tange a biografias não autorizadas, de figuras públicas e notórias, como é o caso do ministro. Logo, não precisamos de autorização dele ou ainda do ministério para escrever sobre a biografia na Wikipédia”, ressaltou.

Desbloqueio

Publicidade

Ele enfatizou que o artigo se encontra desbloqueado para edição. “Não sei dizer o que o ministério vê de ação judicial cabível nessa questão, já que nenhuma lei ou direito está sendo violado. Recebi e-mail do ministério no dia 13, às 20 horas, e no dia 14 eu já havia respondido a eles. Desde então, não recebi nenhuma informação a respeito, nenhum contato”, disse.

Padula afirmou que é importante ressaltar que a Wikipédia tem vários casos de colaboração com instituições públicas, como o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Aeronáutica, diretoria de patrimônio histórico da Marinha, biblioteca da Marinha, entre outras.

“Todas já entenderam a importância da Wikipédia e contribuem com o projeto, cedendo conteúdo, editando e melhorando verbetes. Enquanto responsável pela pasta da educação no país, o ministério deveria entender o papel educacional da Wikipédia e contribuir para a sua evolução e adoção”, acrescentou Padula.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR