Vídeo: Apesar da violência, moradores resistem e PM do Distrito Federal desiste de destruir Escola do Cerrado

Líder da resistência, o ativista Thiago Ávila, destaca que os despejos ou desocupações estão proibidos durante a pandemia da Covid-19

Apesar da ação violenta da Polícia Militar (PM) do Distrito Federal (PM), os moradores resistiram e a corporação desistiu, nesta segunda-feira (5), de promover o despejo de famílias da ocupação CCBB e de destruir a Escola do Cerrado.

Os moradores temem que uma nova tentativa possa ocorrer na manhã desta terça-feira (6). Manifestantes estão se organizando para dormirem no local e fazer a defesa das famílias e da escola.

Antes da desistência e da forte chuva, a PM agiu com truculência e agrediu manifestantes que tentam proteger a Escola do Cerrado, ameaçada de destruição mais uma vez. A ocupação fica ao lado do terreno do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB).

Vídeos obtidos pelo Brasil 247, mostram policiais militares quebrando a casa de uma moradora da ocupação. Com o protesto dos presentes, a PM fez uso de força bruta contra a população.

Líder da resistência, o ativista Thiago Ávila, destaca que os despejos ou desocupações estão proibidos durante a pandemia da Covid-19. Apesar disso, esta é a terceira vez que a PM do DF tenta despejar as famílias que ocupam o local.

Ávila disse que a PM insiste na truculência, mas que ele e os moradores da ocupação não vão sair do local e, com isso, pretendem resistir à ação policial.

Assista aos vídeos:

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.