sábado, 31 out 2020
Publicidade

Eleições na Bolívia: MAS anuncia contagem paralela para evitar fraudes

O candidato do MAS à presidência, Luis Arce, se reuniu com observadores internacionais para anunciar a iniciativa

Durante reunião com observadores internacionais que chegaram na Bolívia para acompanhar as eleições gerais de domingo (18), o Movimento Ao Socialismo (MAS), do ex-presidente Evo Morales, anunciou que vai coordenar um sistema de contagem de votos paralelo ao oficial para monitorar possível tentativa de fraude na contagem. Pesquisas apontam que é possível que o candidato masista, Luis (Lucho) Arce, vença em primeiro turno.

Leia também: Eleições na Bolívia: Futuro não depende só das urnas, apontam especialistas

“Hoje nos reunimos com as delegações da ONU, do Centro Carter, do PARLASUR, da Conferência Permanente dos Partidos Políticos Latino-Americanos (Coppal) e do Grupo Parlamentar da Esquerda Europeia que vieram à Bolívia como observadores do processo eleitoral. Nas reuniões abordamos diversos temas relacionados com as eleições e apresentamos nosso Sistema Integral de Cuidado e Defesa do Voto”, disse Arce em publicações feitas no Twitter.

A iniciativa tem como objetivo driblar as mudanças feitas pelo Tribunal Supremo Eleitoral, que anunciou que as atas de votação não serão mais fotografadas para a contagem rápida. O MAS enxerga a medida como uma falta de transparência.

Segundo o partido, a plataforma, que pode ser acessada aqui, também vai trazer denúncias de incidentes que ocorram durante o transcorrer da votação.

Observadores internacionais

A presença de observadores tem se destacado nessa eleição, realizada cerca de um ano depois do golpe de Estado promovido por setores da direita com o apoio das Forças Policiais e Forças Armadas após a não aceitação do resultado das urnas.

A chegada dos estrangeiros, no entanto, não foi totalmente tranquila. O deputado argentino Federico Fagioli foi detido ao desembarcar em La Paz. O ato gerou revolta e fez o presidente da Argentina, Alberto Fernández, condenar a atuação dos oficias bolivianos.

“Legisladores argentinos foram maltratados ao chegar a La Paz para cumprir suas funções de observadores das eleições do próximo domingo. É responsabilidade direta do governo de fato de Jeanine Áñez preservar a integridade da delegação argentina”, disse Fernández.

Fagioli já foi liberado.

Lucas Rocha
Lucas Rocha
Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.