Auxílio emergencial foi sustento único de 4,4 milhões de famílias em julho, diz Ipea

Benefício é pago a quem teve renda afetada com a pandemia do novo coronavírus; pagamento explica em parte melhora na popularidade de Bolsonaro

Cerca de 4,4 milhões de domicílios brasileiros sobreviveram, em julho, apenas com a renda do auxílio emergencial criado para socorrer quem teve a renda afetada pela pandemia do novo coronavírus. O dado consta de estudo publicado nesta quinta-feira (27) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Nos domicílios mais pobres, a ajuda financeira elevou a renda a 124% do que seria o habitual da família. Já entre as pessoas que permaneceram ocupadas, ela foi suficiente para superar em 16% a perda da massa salarial.

O projeto inicial de Bolsonaro para o benefício previa apenas pagar apenas R$ 200 por três meses durante a pandemia. No Congeesso, a oposição atuou para elevar o valor. Com isso, ele ficou em R$ 600 para a maioria e em R$ 1,2 mil para alguns estratos, como mães solo.

Mesmo assim, sua concessão contribuiu para aumentar a aprovação a Bolsonaro em meio à população. A 5ª Pesquisa Fórum constatou que 13,8% dos entrevistados melhoraram sua avaliação em relação ao militar reformado por causa do benefício. Eles representam 35,8% daqueles que recebem os recursos.

Devido a isso, como mostrou a pesquisa, a avaliação do presidente melhorou entre julho e agosto e agora a maior fatia da população considera seu governo ótimo ou bom. Para 37,5% dos entrevistados, o governo de Bolsonaro está ótimo ou bom -eram 33,3% em julho. Os que consideram o governo ruim ou péssimo são 35,3%, ante 39,7% do mês anterior.

Auxílio compensa perda de renda

“Pela primeira vez, desde o início da pandemia, entre os que permaneceram empregados, a renda média com o auxílio já é maior do que seria habitualmente”, disse o economista Sandro Sacchet, autor da pesquisa.

Segundo o estudo, os trabalhadores receberam em julho 87% dos rendimentos habituais (4 pontos percentuais acima do mês anterior). A média ficou em R$ 2.070, contra uma renda habitual de R$ 2.377.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR