Caso Marielle: Viúva do miliciano Adriano aponta mandantes do crime em delação

Julia Mello Lotufo informou quem seriam os mentores do assassinato e deu detalhes sobre execução da parlamentar carioca a membros do Ministério Público do Rio de Janeiro em sua delação premiada

A viúva do poderoso miliciano conhecido como Capitão Adriano, morto pela polícia na Bahia em fevereiro do ano passado, deu os nomes dos mandantes do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL), executada a tiros em março de 2018, junto com seu motorista Anderson Gomes.

As informações foram passadas a membros do Ministério Público do Rio de Janeiro no âmbito de seu acordo de delação premiada, assinado com promotores de justiça estaduais. Em regime de prisão domiciliar e usando tornozeleira eletrônica, Júlia isentou seu falecido marido de participação no caso que ganhou repercussão mundial.

Segundo as declarações da delatora aos promotores, a milícia que controla a comunidade Gardênia Azul procurou Adriano para contar sobre os planos de execução de Marielle, que seria motivada pela atuação da vereadora não só em sua área de domínio, mas também na região de Rio das Pedras, atrapalhando os negócios do crime organizado.

Capitão Adriano teria rechaçado a ideia, segundo Júlia, não por empatia, mas porque acreditava que assassiná-la seria uma ideia absurda e arriscada, em decorrência da vítima ser uma parlamentar conhecida no Estado. Uma ação desse tipo poderia prejudicar ainda mais o faturamento da quadrilha.

Os milicianos da Gardênia Azul teriam, então, cometido o crime sem a anuência do chefe, que logo após a morte foi tomar satisfação com os executores, uma vez que seu nome começou a aparecer entre os dos possíveis mandantes do assassinato.

Nenhum nome especificamente foi mencionado nas informações que vieram à tona até agora, constantes nos autos de sua delação premiada, mas a milícia Gardênia Azul seria comandada pelo ex-vereador do Rio de Janeiro Cristiano Girão, que perdeu o mandato parlamentar na Câmara Municipal carioca, em 2010, após ser condenado a 14 anos de prisão justamente por liderar o bando.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR