Renan Calheiros pede a cabeça de Braga Netto

O senador afirmou que a função do ministro da Casa Civil é "ameaçar as instituições democráticas" e deve ser demitido

O senador Renan Calheiros utilizou as suas redes sociais para criticar o Ministro da Casa Civil Braga Netto que, segundo reportagem do Estadão, afirmou que “não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso e auditável”.

Para Calheiros, a ameaça feita por Netto é “gravíssima”. O senador também afirmou que Braga Netto “foi colocado onde está exatamente para isso, para ameaçar as instituições democráticas”.

“A democracia brasileira é alvo de uma gravíssima ameaça, agora revelada. Ameaça armada, tentativa de amedrontar pelo terror. Braga Netto se revela: foi colocado onde está exatamente para isso, para ameaçar as instituições democráticas”.

Em seguida, Calheiros afirmou que o objetivo do presidente Bolsonaro é “manter a sociedade refém de sua obsessão continuísta. A população não o quer mais, mostram as pesquisas”.

Posteriormente, Renan Calheiros defende a demissão de Braga Netto. “Ele tem que ser exonerado o quanto antes, removido do posto que ocupa”.

Por fim, ele classifica o ministro da Casa Civil como “elemento perigoso para a democracia”.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR