ELEIÇÕES 2022

Procuradoria diz que motociata de Bolsonaro não configura campanha antecipada

Para o órgão, os passeios de motos são eventos espontâneos organizados por apoiadores do presidente

Procuradoria diz que motociata de Bolsonaro não configura campanha antecipada.Créditos: Foto: Alan Santos/PR
Escrito en POLÍTICA el

A Procuradora-Geral Eleitoral (PGE) não identificou atos de campanha antecipada em motociata realizada pelo presidente Bolsonaro (PL), que busca reeleição, em abril, no Paraná. Além do passeio de moto, o presidente também participou de uma carreata no interior do estado. 

Para o vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet Branco, os eventos foram manifestações espontâneas de apoiadores, o que não fere as regras eleitorais. 

"A participação do presidente da República em manifestação espontânea de apoiadores não caracteriza conduta irregular por si só", declarou Paulo Branco. 

Indicado por Augusto Aras para realizar a função de vice-PGE, Gonet Branco respondeu duas ações encaminhadas pelo PT ao TSE. Os processos estão sob a relatoria da ministra Cármen Lúcia. 

A campanha eleitoral começa oficialmente no dia 16 de agosto.
 

Bolsonaro já gastou R$ 5 milhões dos cofres públicos com motociatas

 

O presidente Jair Bolsonaro (PL) já gastou praticamente R$ 5 milhões dos cofres públicos com seus passeios de motocicleta, as chamas motociatas, de acordo com levantamento realizado pela Folha a partir de mais de 50 pedidos via Lei de Acesso à Informação (LAI).

A soma feita pelo jornal levou em conta as despesas com o cartão de pagamento do governo federal, informadas pela Secretaria-Geral da Presidência, e os gastos assumidos pelos estados para garantir a segurança da população e da comitiva de Bolsonaro.

Não está incluída no cálculo final a viagem do presidente ao Paraná para o evento que ocorreu no dia 6 de novembro, pois o custo ainda não foi informado pela Presidência.

A Polícia Militar do Paraná também não informou os custos com a visita do presidente, alegando que as despesas "não são processadas de maneira centralizada".