Além de Pazuello, lista de investigados da CPI tem Nise Yamaguchi, Capitã Cloroquina e Wizard

O trio é acusado de integrar um gabinete paralelo ao Ministério da Saúde que boicotou o combate à Covid no país

O senador Renan Calheiros, relator da CPI do Genocídio, divulgou nesta quinta-feira (17) à CNN Brasil a lista com os 12 nomes que serão oficialmente investigados pela comissão. Além dos ex-ministros Eduardo Pazuello, da Saúde, e Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, e do atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a lista traz figuras do chamado “gabinete paralelo” e outros depoentes.

Segundo informações do jornalista Caio Junqueira, da CNN Brasil, além dos nomes já revelados anteriormente, a CPI vai passar a tratar como investigados o empresário Carlos Wizard, que faltou à comissão nesta quinta, a oncologista Nise Yamaguchi e a secretária Mayra Pinheiro, conhecida como “Capitã Cloroquina”.

O trio é acusado de compor o chamado “gabinete paralelo” que teria municiado o presidente Jair Bolsonaro com informações anti-científicas que fizeram com que o governo seguisse um rumo negacionista na gestão da pandemia. Outro suposto integrante que também passa à condição de investigado é o virologista Paolo Zanotto.

Completam a lista de 12 nomes: Fabio Wajngarten, ex-chefe da Secom; Francieli Fantinato Fontana, coordenadora do Programa nacional de Imunização; Élcio Franco; ex-secretário-executivo do Ministério e Marcellus Campêlo, ex-secretário de Saúde do Amazonas.

Esses nomes devem ser apresentados formalmente em entrevista coletiva na sexta-feira (18), às 10h30.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR