Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
09 de março de 2019, 10h59

Após pedir “desculpas” por Caixa 2 da JBS, Onyx é suspeito de receber “Caixa 3” da OAS

Empresa apontada por delatores como laranja da empreiteira teria repassado R$ 50 mil para a campanha de deputado de Onyx Lorenzoni, em 2010

Onyx diz que fez tatuagem com texto bíblico para lembrar o "erro" (Reprodução/TV Bandeirantes)

Reportagem da Folha de S. Paulo deste sábado (09) revela que o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM/RS), seria um dos políticos beneficiados por doações de campanhas eleitorais feitas por empresas apontadas por delatores como laranjas da empreiteira OAS, em esquema de financiamento batizado de “Caixa 3”.

O dinheiro teria sido repassado, nas eleições de 2010 e 2014, a candidaturas e partidos por prestadoras de serviço da construtora. Legalmente, a OAS não podia doar a campanhas mais do que 2% de seu faturamento bruto e, em alguns casos, a empreiteira não tinha interesse em estar explicitamente associadas a certas figuras políticas.

Por essa razão, superfaturava valores pagos a empresas menores para que, segundo delatores, a diferença fosse repassada às campanhas beneficiadas.

Das firmas mencionadas, ao menos 13 doaram oficialmente R$ 5 milhões a candidatos não mencionados nos depoimentos. Os cruzamentos dos dados com as prestações de contas fornecidas à Justiça Eleitoral, no entanto, apontam o recebimento de R$ 50 mil da empresa Arcoenge por Onyx em 2010, quando concorria a uma vaga na Câmara dos Deputados pelo DEM.

Confissão de ‘Caixa 2’
O ministro da Casa Civil já admitiu ter recebido recursos de “caixa 2” da JBS. Em entrevista ao programa Canal Livre, na TV Bandeirantes, Onyx disse que fez uma tatuagem para “lembrar o erro” de ter recebido dinheiro via Caixa 2 da JBS.

“Eu fiz isso para que eu nunca mais erre. Isso é para me lembrar do dia em que eu errei”, disse Lorenzoni, sobre a tatuagem, uma reprodução do versículo bíblico do evangelho de João (8:32): “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”, com a palavra liberdade escrita logo abaixo.

Após confessar em vídeo ter recebido R$ 100 mil via Caixa 2 da JBS em 2014, Lorenzoni é investigado por ter recebido um segundo repasse não declarado pela mesma empresa, em 2012.

Mesmo com a confissão, Onyx conta com a “confiança pessoal” do agora colega Sérgio Moro, ministro da Justiça. Em novembro de 2018, Moro minimizou: “Ele já admitiu os seus erros e pediu desculpas”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum