Aziz: CPI vai convocar vendedor de vacina que denunciou pedido de propina do governo Bolsonaro

"As pessoas morrendo e os caras ganhando dinheiro", protestou Randolfe Rodrigues, vice da CPI

O presidente da CPI do Genocídio, Omar Aziz (PSD-AM) anunciou nesta terça-feira (29) que o representante da Davati Medical Supply, Luiz Paulo Dominguetti Pereira, será convocado a prestar depoimento na comissão na próxima sexta-feira (2) em razão da denúncia de que o governo Jair Bolsonaro pediu propina de 1 dólar por dose do imunizante da Oxford/Astrazeneca.

“Denúncia forte. Vamos convocar o senhor Luiz Paulo Dominguetti Pereira para depor na #CPIdaPandemia na próxima sexta-feira, dia 02/07″, escreveu Aziz.

Conforme aponta reportagem da jornalista Constança Rezende publicada na jornal Folha de S. Paulo, Dominguetti Pereira denuncia que a proposta de propina foi feita pelo diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, que foi indicado ao cargo pelo líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR).

A negociata teria sido proposta em 25 de fevereiro. A Davati atuaria como intermediária em uma compra de 400 milhões de doses da vacina Oxford/Astrazeneca, que acabou não sendo concretizada.

Barros, inclusive, é apontado como envolvido diretamente na negociata com indícios de corrupção na compra da Covaxin, vacina indiana contra a Covid-19.

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), também comentou sobre o suposto esquema. “E tudo não passava de corrupção! As pessoas morrendo e os caras ganhando dinheiro!”, escreveu em seu perfil no Twitter.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR