Bolsonaro ameaça repórter: “Vontade de encher sua boca de porrada”

Presidente voltou a atacar a imprensa ao ser questionado sobre os depósitos de Queiroz à primeira-dama Michelle Bolsonaro

A versão “paz e amor” do presidente Jair Bolsonaro durou pouco. Neste domingo (23), o capitão da reserva voltou a atacar a imprensa, desta vez através de uma ameça explícita a um repórter do jornal O Globo.

Segundo o portal UOL, Bolsonaro causou aglomeração ao fazer uma visita, entre o final da manhã e o início da tarde, à Catedral de Brasília – os motivos para a agenda não foram revelados. Durante o passeio, um jornalista perguntou ao presidente qual o motivo de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro investigado pelo esquema de rachadinhas no gabinete do atual senador, ter depositado quantias em dinheiro na conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro.

“A vontade que eu tenho é de encher sua boca de porrada”, disparou o presidente.

Depósitos

Reportagem da revista Crusoé divulgada em 7 de agosto revela que o ex-PM Fabrício de Queiroz, que teria comandado o esquema de rachadinhas como assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), depositou pelo menos 21 cheques na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, entre os anos de 2011 e 2018. O valor total chega a R$ 72 mil.

Reportagem de Fábio Serapião, na edição desta sexta-feira (7) da revista Crusoé, revela que o ex-PM Fabrício de Queiroz, que teria comandado o esquema de rachadinhas como assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), depositou pelo menos 21 cheques na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, entre os anos de 2011 e 2018. O valor total chega a R$ 72 mil.

As informações contrariam Bolsonaro, que em dezembro de 2018, antes de tomar posse, afirmou que o depósito de R$ 24 mil de Queiroz nas contas de Michelle seriam relativos a um empréstimo no valor de R$ 40 mil que ele teria concedido ao amigo de décadas.

Ainda segundo a Crusoé, a quebra de sigilo mostra que Queiroz recebeu R$ 6,2 milhões em suas contas entre 2007 e 2018. Desse montante, R$ 1,6 milhão seriam salários recebidos como PM e como assessor na Alerj. Outros R$ 2 milhões teriam vindo de 483 depósitos de servidores do gabinete de Flávio Bolsonaro, o que indicaria o esquema de rachadinha. Outros R$ 900 mil foram depositados em dinheiro, sem identificação do depositante.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR