terça-feira, 29 set 2020
Publicidade

Bolsonaro pede desculpas e exclui vídeo onde acusa Bianca Santana de fake news

O presidente Jair Bolsonaro anunciou em transmissão ao vivo, realizada na noite desta quinta-feira (30), que decidiu apagar o vídeo em que acusa a jornalista, pesquisadora e escritora Bianca Santana de fake news. Ele pediu desculpas e disse que “também erra”.

“Eu erro também, né. Lamento o ocorrido da live de 28 de maio, peço desculpas à jornalista Bianca Santana. Fiz referência a várias reportagens fake news, e uma eu falei que era dela, mas não era”, disse o presidente.

Ao justificar seu erro, Bolsonaro afirmou que o nome da jornalista constava na página lida por ele naquele dia, e que isso teria gerado a confusão. A reportagem citada pelo ex-capitão foi publicada pelo site Huffpost em 2018 sobre propaganda eleitoral do PT barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Após a acusação feita na live, Bianca precisou entrar na Justiça e pedir indenização por danos morais. Nas redes sociais, ela disse que a menção ao seu nome não foi “meramente um erro” e que, para ela, o presidente não se equivocou.

“Na página em que está publicada a notícia lida por Jair Bolsonaro, não há o meu nome. Por que o presidente insiste, com outra informação falsa? Bolsonaro não se equivocou, ele violou direitos e provocou um dano à minha honra”, escreveu a jornalista.

“Na semana quando fui citada pelo presidente, havia escrito um texto sobre as relações da família Bolsonaro com a milícia acusada do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes. Durante a live, Bolsonaro segurava um papel em que é possível ver uma fotografia de Marielle. Por que o meu nome estava na mesa do presidente naquele dia?”, questionou.

A jornalista afirmou ainda que seu processo contra o presidente engloba uma denúncia contra os ataques frequentes do presidente contra jornalistas mulheres e que, caso receba indenização, o dinheiro será doado “para a busca de justiça pelo assassinato de Marielle Franco”.

Confira:

View this post on Instagram

O presidente Jair Bolsonaro acaba de pedir desculpas publicamente por ter me acusado, na live de 28 de maio, de ser autora de um texto que nunca escrevi. Tirou toda a live do ar. E diz que não tem problema em errar, nem em reconhecer erros, e que teria dito meu nome por estar "lá embaixo", na mesma página. Mas a menção ao meu nome não foi meramente um erro. Na página em que está publicada a notícia lida por Jair Bolsonaro, não há o meu nome. Por que o presidente insiste, com outra informação falsa? Bolsonaro não se equivocou, ele violou direitos e provocou um dano à minha honra. Vale lembrar que, na semana quando fui citada pelo presidente, havia escrito um texto sobre as relações da família Bolsonaro com a milícia acusada do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes. Durante a live, Bolsonaro segurava um papel em que é possível ver uma fotografia de Marielle. Por que o meu nome estava na mesa do presidente naquele dia? Qual o envolvimento da família Bolsonaro com o assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes? #QuemMandouMatarMarielle? Também repito que, desde o início do governo Bolsonaro, ele ou seus ministros atacaram jornalistas mulheres 54 vezes, segundo levantamento da Artigo19. E que a maior parte dos ataques a jornalistas, segundo a Fenaj, foi praticada pelo próprio presidente. Sigo exigindo, individual e coletivamente, que os ataques sejam interrompidos e que o Estado brasileiro garanta um ambiente seguro para a liberdade de expressão, organização e manifestação política. Entendendo as desculpas. Fico animada por meus pedidos no processo terem sido parcialmente atendidos pelo presidente antes mesmo do julgamento. Mas sigo com a ação judicial, que tem também o objetivo de inibir que Jair Bolsonaro siga atacando jornalistas e para que seja atendida a solicitação de indenização, a ser doada integralmente para a busca de justiça pelo assassinato de Marielle Franco.  Agradeço e parabenizo o excelente trabalho des advogades que me representam: Sheila de Carvalho, Flavio Siqueira, Priscila Pamela, Thiago Amparo e Maria Clara D'avila. Para finalizar, por favor, leiam o pedido de impeachment divulgado hoje pela @coalizaonegrapordireitos

A post shared by Bianca Santana (@biancasantanadelua) on

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.