Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
31 de julho de 2019, 12h12

Bolsonaro: “Se não fizer isso, vou pro impeachment”, sobre corte no orçamento

Novos cortes foram "opção" de Bolsonaro para "evitar impeachment" por crime de responsabilidade fiscal. O "contingenciamento" na Educação chegou a 25% do orçamento previsto para 2019

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro justificou, nesta quarta-feira (31), que os novos cortes orçamentários foram realizados com o objetivo de respeitar Lei de Responsabilidade Fiscal e fugir de um impeachment. No entanto, para aprovar reforma da Previdência, Bolsonaro distribuiu R$ 1,13 bilhão em emendas.

“Se eu não fizer isso, eu entro na Lei de Responsabilidade Fiscal, é pedalada. Eu vou pro impeachment, dá pra entender? Eu não quero cortar ninguém. Eu sou um cara que não sou adepto a isso, mas o Orçamento geralmente é superestimado, o pessoal infla”, disse o presidente a Daniel Carvalho, da Folha.

Questionado pelos novos cortes na Educação, que fez o “contingenciamento” atingir 25% da receita prevista para o ano, Bolsonaro disse que “optou” por evitar impeachment. “Tem uma lei. Tenho que seguir a lei. Não sou ditador. Entre uma crítica e um impeachment, será que eu prefiro o quê? Tenho que fazer opção, cara. A opção infelizmente é esta”, disse o presidente.

O novo corte no Ministério da Educação, do olavista Abraham Weintraub, é de R$ 348 milhões. Somado com o valor travado em março, o “contigenciamento” total de 2019 chega a R$ 6,2 bilhões. A Educação é a área em que o governo Bolsonaro tem menor aprovação popular, principalmente pelos grandes atos contra os cortes nas universidades e institutos federais.

O mais atingido com a medida foi o Ministério da Cidadania, que terá restrição de R$ 619 milhões. Comandada por Osmar Terra (MDB), a pasta é resultado de uma fusão entre os ministérios do Desenvolvimento Social, do Esporte e da Cultura. Terra comandava o Desenvolvimento Social de Michel Temer.

No total, foram bloqueados R$ 1,4 bilhão, um pouco acima dos R$ 1,13 bilhão distribuídos em emendas, para que deputados votassem a favor da reforma da Previdência. Na semana da votação que aprovou a reforma, 37 portarias foram editadas liberando recursos pedidos por parlamentares.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum