Dilma diz que Ciro é misógino e que sistematicamente distorce os fatos

“O Brasil precisa é discutir a gravíssima crise democrática, social, sanitária e econômica em que se encontra. Lamento ter, em algum momento, dado a Ciro Gomes a minha amizade”, postou a ex-presidenta

Dilma Rousseff (PT) postou uma sequência de tuites para rebater os ataques e ofensas de baixo nível desferidos por Ciro Gomes (PDT) contra ela. A ex-presidenta afirmou, de forma elegante, ao contrário do pedetista, que ele tem uma visão “profundamente misógina” e que “sistematicamente distorce os fatos”.

Pré-candidato do PDT à presidência, Ciro atacou Dilma pelas redes sociais nesta quarta-feira (13). Após ela rebatê-lo, afirmando que Ciro “mente descaradamente” movido pelo desespero por estar atrás nas pesquisas, o pedetista chamou-a de “incompetente, inapetente e presunçosa”.

Veja as postagens de Dilma:

“Só Ciro é competente. Este é o pecado de sua enorme presunção. Esta é a sua visão quando se trata de avaliar o resto da humanidade. Mas quando se trata de mulher, sua visão não é só inadequada, é também profundamente misógina.

O mais triste de tudo isso é que Ciro se diz arrependido de ter defendido a democracia. E ainda usa os mesmos argumentos dos golpistas que diz ter combatido.

Para além disso, Ciro sistematicamente distorce os fatos. E, nisso, não se difere em nada de Bolsonaro. Ambos adoram quando os alvos de suas agressões reagem. Precisam disso para obter likes e espaço na mídia. É disso que se alimentam.

Infelizmente para Ciro, encerro esta polêmica estéril por aqui. O Brasil precisa é discutir a gravíssima crise democrática, social, sanitária e econômica em que se encontra. Lamento ter, em algum momento, dado a Ciro Gomes a minha amizade”.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR