Em julgamento no STJ, Witzel pode virar réu por corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro

Governador do Rio de Janeiro pode ter novo pedido de afastamento feito pela acusação, com prazo maior do que os 180 dias iniciais

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, pode virar réu nesta quinta-feira (11). Ele será julgado pela Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que vai analisar a denúncia contra ele oferecida pela Procuradoria-Geral da República, de acordo com a coluna Radar, da Veja

A depender da decisão, Witzel, que está fora do cargo desde agosto de 2020, corre o risco de ter novo pedido de afastamento feito pela acusação, com prazo maior do que os 180 dias iniciais.

Além disso, a análise da denúncia pelo STJ provocará o andamento do processo de impeachment, aberto pelo legislativo do Rio e que foi interrompido diante da impossibilidade de um depoimento de Witzel até que ele tenha acesso à delação de Edmar Santos, ex-secretário de Saúde.

Corrupção e lavagem

O governador afastado, sua esposa Helena e mais sete pessoas são acusados de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro. Witzel tentou barrar no Supremo Tribunal Federal (STF) a análise da denúncia pelo STJ, porém, teve o pedido negado.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.