Flávio Dino quer que Defesa se manifeste sobre ameaça de Braga Netto às eleições

Deputados Bohn Gass (PT-RS) e Glauber Braga (PSOL-RJ) dizem que tomarão medidas contra achaque do ministro da Defesa, Braga Netto, que ameaçou: se não tiver voto impresso, não haverá eleição

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), foi às redes na manhã desta quinta-feira (22) e pediu a manifestação do Ministério da Defesa sobre a “denúncia gravíssima” de que o general Walter Braga Netto usou um interlocutor para dizer ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que sem o voto impresso não haverá eleição em 2022.

“Muito importante que o Ministério da Defesa se manifeste imediatamente. Denúncia gravíssima. A democracia admite tudo, menos crimes que visam destruí-la”, tuitou Dino.

Em entrevista ao Fórum Café, o líder do PT na Câmara, Elvino Bohn Gass (RS), afirmou que a bancada tomará medidas contra o caso.

“Eu acredito que essa situação é muito grave. Nós estamos denunciando isso e fazendo um debate com outras lideranças e não podemos aceitar. O voto impresso não pode passar. Isso é uma farsa. E é, na verdade, uma desculpa antecipada para a derrota. Se tiver eleição, ele vai perder”, disse o deputado.

Pelas redes, o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) afirmou que vai pedir a convocação do ministro da Defesa para prestar esclarecimentos.

“Vou propor uma interpelação formal do ministro da defesa. Caso se confirme que ele articulou essa ameaça, deve ser responsabilizado com todo rigor. Que os golpistas sejam duramente enquadrados”, tuitou.

Notícias relacionadas

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR