Padilha defende “movimento amplo” com Lula, Ciro e todos os “comprometidos com a democracia”

"Politica é igual feijão, só cozinha na pressão", disse o deputado petista à Fórum

O deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) disse em entrevista ao portal UOL, nesta terça-feira (14), que uma união entre Lula (PT) e Ciro Gomes (PDT) contra Jair Bolsonaro é “possível e necessária”.

“Acho possível e necessário, não só Lula e Ciro, mas temos que reunir todos aqueles que defendem a democracia e que se sentem incomodados com o jantar de ontem”, disse Padilha, fazendo referência ao encontro entre empresários, com a presença de Michel Temer (MDB), em que Bolsonaro foi ridicularizado.

A fala se deu como resposta a uma pergunta do jornalista Kennedy Alencar sobre os próximos atos que estão sendo organizados pelos partidos de oposição e movimentos populares contra o presidente. No último dia 12, o grupo de direita Movimento Brasil Livre (MBL) organizou uma manifestação contra o chefe do Executivo e contou com a adesão de Ciro. O PT, por se um dos alvos do grupo, no entanto, não participou.

Agora, os partidos de oposição, incluindo o PT, e movimentos sociais, organizam mobilização nacional no dia 2 de outubro.

À Fórum, Padilha defendeu um “movimento amplo” contra Bolsonaro que não se limite apenas a Ciro com Lula.

“Politica é igual feijão, só cozinha na pressão. Só um movimento amplo, realmente comprometido com quem sempre lutou pela democracia no Brasil pode fazer a pressão necessária pra deslocar a base parlamentar cimentada pelo orçamento secreto de Bolsonaro”, afirmou o petista.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR