“Que não se iguale a Maia no papel de bravateiro”, diz Glauber Braga sobre apoio de Marcelo Ramos ao impeachment

Vice-presidente da Câmara pediu acesso aos pedidos de impeachment contra Bolsonaro e afirmou que estuda aval para abrir um deles; líder do PT diz que posição de Ramos "vai contagiar outras lideranças"

A pressão pela abertura de um dos mais de 120 pedidos de impeachment protocolados na Câmara contra o presidente Jair Bolsonaro ganhou novo impulso.

O vice-presidente da Casa, Marcelo Ramos (PL-AM), após ser atacado por Bolsonaro, subiu o tom nas críticas ao mandatário e pediu a Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara, acesso a todas as peças de impeachment.

Ele ainda afirmou que já enxerga crimes consistentes do titular do Planalto.

Mesmo sem retorno de Lira sobre o acesso às peças, Ramos recebeu da oposição uma cópia do “superpedido” de impeachment apresentado em junho.

“São 21 imputações de crime de responsabilidade e algumas delas, numa primeira leitura, parecem bem consistentes”, tuitou o parlamentar nesta terça-feira (20).

À Folha de S. Paulo, Ramos disse ainda que estuda aval para abrir um dos pedidos de impeachment contra Bolsonaro se assumir a presidência da Câmara como interino.

“Tem duas questões importantes. A primeira questão é de natureza estritamente jurídica: se existem os fundamentos que caracterizam crime de responsabilidade. Essa é uma questão”, disse.

“A segunda questão tem natureza jurídica e política, que é se cabe no exercício provisório da presidência da Câmara acatar ou não um impeachment. Estou analisando as duas coisas”, completou.

Publicidade

“Saia das palavras”

À Fórum, o deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ) reagiu ao posicionamento de Marcelo Ramos sobre o impeachment.

“Espero que Ramos saia das palavras e vá aos atos. Que receba o impeachment quando estiver no exercício da presidência ou deixe de passar pano e cobre com afinco do seu aliado Lira, que está sendo cúmplice do genocídio, para que o faça”, cobrou o psolista.

Publicidade

Braga ainda lembrou do ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que durante toda a sua gestão frente à Mesa Diretora se recusou a dar seguimento a qualquer pedido de impeachment contra Bolsonaro.

“Espero [que o Marcelo Ramos] que não se iguale a Maia no papel de bravateiro sem ação concreta contra Bolsonaro”, pontuou.

“Elemento importante”

Também em conversa com a Fórum, o líder da bancada do PT na Câmara, deputado Elvino Bohn Gass (RS), disse considerar o posicionamento de Ramos pró-impeachment como “importante”.

O petista avalia que a postura do vice-presidente da Câmara pode “contagiar” outras lideranças da Casa.

“Os crimes [de Bolsonaro] são tantos. Crime é o que não falta. É muito positiva a posição do Marcelo Ramos e acredito que ela vai contagiar outras lideranças a se posicionarem. É muito grave o que está acontecendo no Brasil. Estamos diante de um governo genocida e corrupto. Esse posicionamento é bem-vindo e espero que contagie outras lideranças”, declarou.

Para Bohn Gass, o apoio de Ramos ao impeachment não fará com que Arthur Lira, automaticamente, resolva abrir um dos pedidos, mas considera que se trata de “um processo” e que essa postura do vice-presidente “é um elemento importante”.

“Ele [Marcelo Ramos] sempre manteve uma postura muito crítica, bastante equilibrada, e isso [a sinalização de apoio ao impeachment] foi um sinal que mostra exatamente que o presidente não tem nenhuma condição de conviver com a democracia”, afirmou o líder do PT.

Fundão

Marcelo Ramos, que conduziu a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), virou oposição e passou a sinalizar apoio ao impeachment ao ser acusado por Bolsonaro de ter incluído o destaque para turbinar o chamado Fundão.

Ramos, no entanto, diz que a manobra partiu do próprio presidente, que incluiu o valor de R$ 5,7 bilhões em um “acordão” com partidos aliados para dobrar o valor do fundo dos atuais R$ 2 bi para R$ 4 bi.

“Atenção! Depois de toda a fanfarronice, o presidente Bolsonaro está armando um acordão pra dobrar o valor do fundo e passar pra 4 bilhões! A verdade sempre aparece”, tuitou Ramos.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR