Witzel discute com manifestante e o chama de “maconheiro”

“Olha o maconheiro aí, que tá gritando. Aqui você não vai fumar maconha não, parceiro. Vai fumar maconha em outro lugar”, disse o governador do Rio, após ser chamado de “fascista”

Com a habitual truculência, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, discutiu com um manifestante, durante a cerimônia de inauguração do projeto Laranjeiras Presente, nesta sexta-feira (6).

Chamado de “fascista” pelo homem que acompanhava do lado de fora das grades, Witzel rebateu e chamou o manifestante de “maconheiro”.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

“Olha o maconheiro aí, que tá gritando. Não tem espaço para você não, maconheiro. Aqui você não vai fumar maconha não, parceiro. Vai fumar maconha não. Aqui é ordem. Aqui nós vamos prezar pela ordem. Aqui você não vai fumar maconha, acabou essa brincadeira. Vai fumar maconha em outro lugar”, disse Witzel, no meio de seu discurso.

O manifestante não desistiu e questionou o governador: “Não vai falar sobre a milícia? Fala da milícia”, disse. Witzel respondeu, sem convencer: “Tá todo mundo sendo preso, rapaz. Presta atenção. Até os maconheiros”, ameaçou.

Prisão

Em julho, Witzel, anunciou mais uma medida radical e sem respaldo da lei: ele afirmou que iria mandar prender quem estivesse fumando maconha nas praias do Rio de Janeiro.

O governador fez o anúncio durante reunião com prefeitos do estado, referindo-se principalmente ao da capital, Marcelo Crivella. “E agora, prefeito, vou prender maconheiro na praia. Quem estiver fumando maconha na praia, eu vou prender”.

Publicidade
Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR