Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
15 de março de 2019, 19h20

Após atentados, primeira-ministra da Nova Zelândia promete endurecer controle de armas

Enquanto isso, no Brasil, Jair Bolsonaro propõe flexibilizar ainda mais o acesso a armas de fogo no mesmo dia que um atentado culminou em 10 mortes em uma escola de Suzano (SP)

Reprodução

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, fez um pronunciamento em cadeia nacional nesta sexta-feira (15) informando que vai mudar a as leis com o intuito de limitar o acesso às armas de fogo no país. “Agora é a hora de mudar”, disse.

A declaração veio logo após os atentados xenófobos simultâneos em duas mesquitas que mataram 49 pessoas e deixaram outras 48 feridas.

Um dos alvos do ataque contra a comunidade muçulmana foi a mesquita de Linwood, que estava lotada com mais de 300 pessoas, no subúrbio de Linwood, em Christchurch. Outra mesquita atacada foi a Masjid Al Noor, ao lado do Parque Hagley. Relatos indicaram novo tiroteio no local. Ao menos quatro pessoas envolvidas nos atentados foram detidas: três homens – dos quais um seria australiano – e uma mulher. A polícia local informou, porém, que não está descartada a hipótese de que outros agressores estejam envolvidos e, portanto, foragidos.

Uma das motivações para a primeira-ministra propor uma nova lei de armas é o fato de que foram apreendidas, com os criminosos, cinco armas compradas legalmente, entre elas duas semiautomáticas, que devem ser as primeiras a ter o acesso mais restrito com a nova lei.

Atualmente, a idade mínima para compra de armas na Nova Zelândia é de 16 anos para armas comuns e 18 anos para armas semiautomáticas ou de estilo militar. As pessoas que desejam ter arma de fogo, a partir destas idades, precisam de uma licença, concedida pela polícia, e não podem ter antecedentes criminais.

No Brasil, mais armas 

Enquanto ataques violentos geram debates sobre mais controle de armas e todo o mundo, no Brasil a ideia do atual governo é facilitar ainda mais o acesso das pessoas a este tipo de instrumento.

Na quarta-feira (13), mesmo dia do brutal massacre em uma escola de Suzano (SP), o presidente Jair Bolsonaro informou que está preparando um projeto de lei para ser encaminhado ao Congresso com o objetivo de flexibilizar o porte. A proposta vem logo após o decreto que facilitou a posse de armas, baixado em janeiro.

No dia seguinte, quinta-feira (14), o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, apresentou seu primeiro projeto de lei no Senado: autorizar a instalação de fábricas civis de armas de fogo e munições no Brasil.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum