Em culto, Bolsonaro ataca CPI e chama Randolfe de “pessoa alegre do Amapá”

O presidente tem utilizado cultos religiosos para atacar adversários e fazer campanha eleitoral

Bolsonaro tem se aproveitado de cultos religiosos para fazer campanha eleitoral antecipada e atacar os seus adversários.

Dessa vez, durante um culto em Anápolis (GO), o presidente atacou a CPI e, novamente, insinuou que o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) é homossexual.

“Que CPI é essa? De Renan Calheiros? De Omar Azis? Daquela pessoa alegre do Amapá?”, disse Bolsonaro com sorriso sarcástico ao colocar em questão a sexualidade do senador Randolfe Rodrigues.

CPI aprova convocação de Osmar Terra e auditor do TCU

Pai de Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, auditor que produziu o relatório fake do Tribunal de Contas da União (TCU), o coronel reformado Ricardo Silva Marques foi colega de Jair Bolsonaro (Sem Partido) na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) e ganhou do governo um cargo na gerência de inteligência da Petrobras.

Segundo reportagem do site Metrópoles, o coronel é apontado pelo próprio filho como responsável pelo vazamento do documento, que deu suporte para Bolsonaro falar que o número de mortos pela Covid-19 seria a metade do que foi divulgado pelo próprio Ministério da Saúde em 2020.

O deputado Osmar Terra, que é considerado peça central do “ministério paralelo”, foi convocado para depor na CPI do Genocídio.

Em abril de 2020, quando o Brasil entrava em quarentena, Terra afirmou que “a epidemia está terminando dentro de duas, três semanas”.

O parlamentar também é um forte crítico das políticas de isolamento e defensor da cloroquina, e afirmou que a quarentena “não serve para nada”.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).