Polícia prende stalker que ameaçava juíza que ensinava a tomar sorvete para não usar máscara

Homem perseguiu Ludmila Grilo por quatro meses e chegou a enviar fotos de sua casa para mostrar proximidade; ele queria R$ 1 milhão

A Polícia Civil de Minas Gerais prendeu neste sábado (20) um stalker que perseguia e ameaçava a juíza Ludmila Grilo por meio de redes sociais. O homem, de 40 anos, perseguiu a juíza por quatro meses, enviando inclusive fotos de sua casa e da de seus familiares, como forma de coação.

Ludmila é a juíza de Unaí (MG) que ficou famosa por incentivar aglomerações em meio à pandemia do novo coronavírus e até ensinar a tomar sorvete como forma de evitar o uso de máscaras em lugares fechados “e ainda posar de bondoso”.

Ela chegou a fazer uma postagem andando em Búzios usando a hashtag infame #AglomeraBrasil em que escreveu: “Uma cidade que não se entregou docilmente ao medo, histeria ou depressão. Aqui, a vida continua. Foi maravilhoso passar meu Réveillon nessa vibe”. Devido a tais incentivos, ela chegou a ser alvo de um pedido de investigação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por parte do advogado José Belga Assis Trad, que alega que Ludmila pode ter cometido “crime de apologia à infração de medida sanitária preventiva”.

Stalker é como é chamada uma pessoa que faz perseguição a outra por meio de redes sociais. Ao Estado de Minas, a delegada Gabriela Mol, que conduziu as investigações, disse que o suspeito realizou, por mais de quatro meses, ameaças de aproximação física, impondo medo à juíza.

“O suspeito chegou a encaminhar fotografias de lugares íntimos, como o local exato da residência da vítima e de familiares, além de correspondências ao local de trabalho”, disse a delegada. Segundo ela, ele exigia R$ 1 milhão a título de suposta reparação de danos “sob pena de causar à vítima dor e intenso sofrimento”.

Com informações do Estado de Minas

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR